Futuro de Bush inclui biblioteca e autobiografia

O presidente George W. Bush provavelmente quer um pouco de sossego ao se mudar da Casa Branca para uma rua sem saída num subúrbio de Dallas. Mas os próximos anos não devem ser inteiramente de lazer. Depois de transferir a responsabilidade por duas guerras e uma economia em frangalhos a Barack Obama, na próxima terça-feira, ele começará a percorrer a conhecida trilha pós-presidencial da construção do seu legado. Planeja inaugurar uma biblioteca presidencial e um centro de políticas públicas na Universidade Metodista do Sul, em Dallas, e escrever o seu ponto de vista a respeito dos grandes fatos que marcaram sua presidência -- especialmente os atentados de 11 de setembro de 2001 e as guerras do Afeganistão e Iraque. "Ele está ávido em continuar promovendo os inabaláveis ideais e princípios pelos quais se ergueu enquanto serviu como presidente dos Estados Unidos", disse sua porta-voz Dana Perino. Especialistas prevêem que, ao contrário de Bill Clinton, que ganhou milhões de dólares no circuito das conferências para bancar sua fundação e uma pilha de processos judiciais, Bush deve passar os próximos anos arrumando a biblioteca e seus documentos e tratando de recuperar a sua desgastada imagem. Grande parte do tempo deve ser passado na fazenda de Crawford, no Texas, e Bush disse a jornalistas que na primeira manhã fora do cargo pretende preparar o café para a esposa, Laura. "O mais difícil na vida de um ex-presidente são os anos imediatamente posteriores à Casa Branca", disse Douglas Brinkley, historiador presidencial da Universidade Rice, em Houston. Como ex-presidente, Bush, 62 anos, terá pela frente infindáveis eventos de arrecadação de fundos para a biblioteca e discussões com arquitetos e empreiteiros sobre as obras, além da tarefa de preparar os documentos presidenciais para serem entregues aos Arquivos Nacionais, segundo Brinkley. "Isso come esses primeiros anos", disse Brinkley. O ex-presidente Jimmy Carter, que a exemplo de Bush viu sua popularidade desabar no fim de mandato, também passou assim os seus primeiros anos fora do cargo. Bush diz que não está preparado para se aposentar mansamente. "Simplesmente não me vejo com chapelão de palha e camisa havaiana sentando em alguma praia", disse ele na sua última entrevista coletiva, no dia 12. "Particularmente desde que eu parei de beber", disse ele, rindo do seu passado de alcoólatra. Laura e Bush disseram ao jornal The Dallas Morning News que pretendem dividir seu tempo entre a casa de 790 metros quadrados no arborizado bairro de Preston Hollow e a fazenda de Crawford, a 200 quilômetros dali. Os moradores de Preston Hollow estão satisfeitos com o ilustre novo vizinho, mas não com o enxame de agentes do Serviço Secreto que darão proteção ao ex-primeiro-casal. "Para Preston Hollow é bom", disse a corretora imobiliária Cyndie Gawain. "Mas eu não gostaria de viver bem nesta rua, por causa da segurança." Nos gramados de várias casas, moradores colocaram placas com dizeres como "Bem-vindos ao lar, George e Laura". (Reportagem adicional de Steve Holland)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.