Futuro secretário de Justiça aponta 'tortura' no governo Bush

O futuro secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, disse na quinta-feira em sua audiência de confirmação no Senado que a simulação de afogamento contra prisioneiros, permitida no governo Bush, é uma forma de "tortura", e que uma das suas prioridades será combater fraudes financeiras. Pressionado pela bancada republicana, ele admitiu que errou quando, como subsecretário de Justiça, apoiou o perdão concedido pelo presidente Bill Clinton ao financista foragido Marc Rich. Ele prometeu que a prisão militar de Guantánamo, criada após os atentados de 11 de setembro de 2001 para receber suspeitos de terrorismo -- e amplamente criticada por entidades de direitos humanos --, será desativada, mas não tão cedo quanto alguns esperam. Previa-se que os republicanos transformariam a confirmação de Holder, de 57 anos, em uma das mais polêmicas do governo Obama, em parte por causa da questão do perdão a Rich. Mas, graças à ampla maioria democrata no Senado, é praticamente certo que ele seja confirmado e se torne o primeiro negro a ocupar o cargo. O presidente da Comissão de Justiça, o democrata Patrick Leahy, pediu pressa na confirmação de Holder, já que a posse de Obama é na terça-feira, e o secretário de Justiça tem papel essencial em questões de segurança nacional e combate a crimes financeiros. "As responsabilidades do secretário de Justiça dos Estados Unidos são importantes demais para que esta nomeação seja atrasada por causa de disputas partidárias", disse Leahy. Holder abriu sua participação dizendo que o Departamento de Justiça "deve realizar um esforço agressivo contra a fraude financeira e a manipulação do mercado". "No momento em que os contribuintes são chamados a resgatar grandes segmentos da nossa economia, eles têm o direito de exigir responsabilização pelas irregularidades", afirmou, prometendo também dureza no combate a cartéis. Quanto à luta contra o terrorismo, prometeu usar "todas as ferramentas disponíveis", mas protegendo os direitos civis. Questionado por Leahy sobre a simulação de afogamento, Holder declarou: "Concordo com o senhor, sr. presidente, a simulação de afogamento é tortura". O presidente George W. Bush insiste que seu governo não torturou ninguém, mas a CIA admitiu que usou a simulação de afogamento, amplamente condenada internacionalmente, em pelo menos três ocasiões ao interrogar suspeitos de terrorismo. (Reportagem adicional de Thomas Ferraro)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.