Gates diz que EUA estão 'decididos' a completar missão no Afeganistão

Troca de comando das tropas não afetará andamento das operações, diz secretário de Defesa

Efe

24 de junho de 2010 | 16h59

WASHINGTON - Os EUA estão "decididos" a completar sua missão no Afeganistão, apesar da renúncia do general Stanley McChrystal, que será substituído pelo também general David Petraeus no cargo de chefe das tropas americanas no país, afirmou nesta quinta-feira, 24, o secretário de Defesa Robert Gates.

 

Veja também:

linkChefe divil da Otan diz que estratégia é a mesma

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

Em entrevista coletiva no Pentágono junto ao chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, almirante Mike Mullen, Gates disse que a decisão do presidente americano, Barack Obama, de aceitar a renúncia de McChrystal foi "correta".

 

O general renunciou depois da publicação de uma entrevista na revista "Rolling Stone" na qual criticava vários altos cargos do Governo, incluindo o próprio presidente Obama. Segundo Gates, depois das críticas, McChrystal tornou sua posição "insustentável".

 

Sua substituição por Petraeus não trará "tipo algum de relaxamento em nosso compromisso" na guerra do Afeganistão, disse o secretário de Defesa. Segundo ele, os EUA estão "decididos" a seguir adiante com sua missão e vencer a guerra.

 

Por sua parte, Mullen prestou homenagem à figura de McChrystal, que, segundo ele, "serviu de maneira nobre e com distinção", mas também disse que ele deve pedir desculpas por seus comentários. Como Gates, Mullen, que voltará nesta quinta para a Ásia, insistiu em que o substituto no comando "não mudará em nada a estratégia, a missão ou os recursos no Afeganistão".

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoGatestropasEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.