Gates pede que militares respondam pesquisa antes banir veto a gays

Grupo alertou que respostas podem ser usadas para expulsar homossexuais do serviço militar

Reuters,

08 de julho de 2010 | 21h32

WASHINGTON- O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, pediu nesta quinta-feira, 8, que gays e lésbicas respondam a uma pesquisa do Pentágono antes de qualquer possível veto a uma decisão que proíbe homossexuais de servirem no Exército.

 

A Rede de Defesa Legal de Militares havia advertido que responder ao questionário enviado por e-mail a 400.000 soldados poderia expor gays e lésbicas a serem expulsos do Exército sob a política "Don't Ask, Don't Tell", que ainda não foi banida.

 

"Estou ciente de que ao menos um grupo sugeriu que gays e lésbicas no serviço militar não preencham o relatório", disse Gates a repórteres.

 

"Eu encorajo fortemente gays e lésbicas que estejam no serviço militar a responder esse questionário", acrescentou o secretário. "Nós o organizamos de um modo que a privacidade e confidencialidade de suas respostas serão protegidas".

 

Os resultados da pesquisa irão complementar um estudo do Pentágono a ser concluído em dezembro sobre o impacto de integrar homossexuais nas Forças Armadas se o Congresso vetar a lei de proibição, que já dura 17 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.