Geórgia diz ter disparado contra avião russo na 4a.

Forças georgianas dispararam contra umavião que supuseram ser russo e que havia invadido o espaçoaéreo do país na quarta-feira, segundo uma importante fonte doMinistério do Interior. A Rússia qualificou a declaração como uma provocação edisse não ter nenhum avião desaparecido. "Anteontem (quarta-feira), às 22h24 (hora local), nasmontanhas da Alta Abkházia, abrimos fogo contra um avião russo,e depois disso ouvimos uma explosão", disse Shota Utiashvili,chefe do departamento analítico do Ministério do Interior, nasexta-feira à Reuters. "A floresta ali está em chamas, mas não podemos confirmarque o avião tenha sido abatido", disse Utiashvili,acrescentando que o ministério enviará um helicóptero à área nosábado para investigar. O funcionário não identificou de que tipo de avião setratava, mas insistiu que era russo e rumava para uma partemontanhosa e deserta da Abkházia, região georgiana controladapor separatistas que têm apoio russo. A Abkházia é um dos principais motivos de atrito entre aRússia e a Geórgia, que na quarta-feira acusou dois aviõesrussos de violarem seu espaço aéreo, e há duas semanas afirmouque caças russos haviam lançado um míssil nos arredores deTbilisi. O suposto incidente aéreo desta semana é "outra provocaçãona campanha de informação realizada contra nós", disseAlexander Drobyshevsky, assessor do comando da Aeronáuticarussa, à agência Interfax. "Digo isso oficialmente: aviõesrussos não violaram o espaço aéreo georgiano." Uma fonte do Ministério da Defesa dos separatistas abkhazestambém disse à Interfax que não houve registro de nenhum aviãoabatido na região. Agências russas haviam noticiado na sexta-feira que asforças abkhazes fizeram na quinta-feira disparos de advertênciapara um avião não identificado vindo da Geórgia. Rússia e Geórgia, unidas na época da União Soviética, vivemuma fase de atritos desde que o presidente Mikhail Saakashvilicomeçou a afastar seu país, de 5 milhões de habitantes, daórbita de influência de Moscou. Em 2006, a Rússia cortou as comunicações aéreas, marítimase postais com seu vizinho em retaliação à prisão de supostosespiões russos na Geórgia. Antes, Moscou havia proibido aimportação de vinho e água da Geórgia, citando razõessanitárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.