Geórgia pode perder regiões rebeldes, diz enviado russo na Otan

As regiões separatistas da Geórgia, que têmo apoio de Moscou, começarão processo de "secessão real" se aOtan der à Geórgia um sinal de que o país pode se juntar àaliança, disse o embaixador da Rússia na Organização do Tratadodo Atlântico Norte terça-feira. "Assim que a Geórgia obtiver de Washington algumaperspectiva de adesão à Otan, no dia seguinte já começa oprocesso de secessão real desses dois territórios (Abkházia eOssétia do Sul)", disse Dmitry Rogozin à Reuters por telefone. Quando questionado se, com isso, a Rússia reconheceria ounão a independência de Abkházia e Ossétia do Sul, Rogozindisse: "Meu ponto de vista é este: nós não teremos maisargumentos para impedir este processo". Apesar disso, ele disse que a decisão de reconhecer as duasregiões será da liderança política russa. Abkházia e Ossétia do Sul se livraram do comando de Tbilisipor meio da luta armada nos anos 1990, mas não têmreconhecimento internacional. O presidente da Geórgia, MikhailSaakashvili, que tem apoio do Ocidente, diz que elas devemcontinuar fazendo parte da Geórgia. As duas regiões redobraram sua campanha pelo reconhecimentodepois que Kosovo declarou-se independente da Sérvia. Elasdizem que Kosovo estabeleceu um precedente legal para outrasregiões separatistas, um argumento que Moscou apóia. Respondendo aos comentários de Rogozin, o porta-voz daOtan, James Appathurai, disse que a aliança ainda não sedecidiu se oferecerá à Geórgia o Plano de Ação de Associação, oprimeiro passo para ligar-se ao grupo. "Dito isto, os aliados da Otan apóiam totalmente aintegridade territorial da Geórgia em todos os cenáriospossíveis", disse ele. (Reportagem de David Brunnstrom, em Bruxelas, e ChristianLowe) REUTERS MR ES

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.