Governador de Illinois resiste a pressão e permanece no cargo

O governador de Illinois, Rod Blagojevich, ignorou na quinta-feira a pressão para que renuncie ao cargo devido à suspeita de que vendeu uma vaga no Senado -- pressão que parte inclusive do ex-ocupante da vaga, o presidente-eleito Barack Obama, que se disse "chocado" com o caso. O democrata de 52 anos novamente conseguiu deixar sua casa, em Chicago, fugindo da imprensa e dos curiosos. Ao mesmo tempo, Obama dizia em entrevista coletiva em outro ponto da cidade que havia determinado que se investigasse se algum funcionário seu manteve contatos com Blagojevich a respeito do assunto antes que o governador fosse detido por algumas horas, na terça-feira. "Eu não tive contato com o gabinete do governador. Não falei com o governador sobre essas questões. Isso eu sei com certeza", disse Obama. "O que eu pretendo fazer é reunir todos os fatos sobre quaisquer contatos de funcionários (...) que possam ter ocorrido entre o gabinete de transição e o gabinete do governador. Mas o que tenho absoluta certeza é que nosso gabinete não teve envolvimento em qualquer acordo em torno da minha vaga no Senado." Obama renunciou ao mandato de senador por Illinois depois de vencer a eleição presidencial de 4 de novembro. Pela lei norte-americana, cabe ao governador do Estado indicar um substituto para concluir o mandato. Com base em anos de investigações, inclusive com escutas autorizadas pela Justiça, Blagojevich foi acusado por procuradores federais de suborno e tráfico de influência, inclusive envolvendo a vaga de Obama no Senado. No entanto, ele não foi indiciado, e continua normalmente no cargo. A agência Standad & Poor's citou as acusações contra o governador, junto com uma série de problemas econômicos, para alertar que pode rebaixar a cotação dos títulos públicos de Illinois. Um empréstimo de 1,4 bilhão de dólares, que deveria ser liberado na quinta-feira para o pagamento de outras dívidas, foi adiado para a semana que vem. A escolha do sucessor de Obama no Senado continua em aberto. Todos os 50 senadores ligados ao Partido enviaram na quarta-feira uma carta a Blagojevich pedindo que ele renuncie sem indicar o novo senador. Caso isso ocorra, a bancada tentará impedir a confirmação do eleito. O futuro governo Obama terá maioria no Senado mesmo se essa vaga permanecer em aberto. O Legislativo do Estado também discute a abertura de um processo de impeachment, e a procuradora-geral de Illinois disse que poderá pedir à Suprema Corte do Estado que use seus poderes de declarar o governador incapacitado para o cargo. (Reportagem adicional de Karen Pierog)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.