Governador de NY renuncia após escândalo com prostituta de luxo

O governador do Estado de Nova York,Eliot Spitzer, enredado em um escândalo sexual envolvendo acontratação de uma prostituta de luxo, comunicou naquarta-feira sua renúncia ao cargo. Com a renúncia, Spitzer põe fim a uma carreira iniciada cominvestigações enérgicas sobre crimes financeiros cometidos emWall Street. O vice-governador David Paterson deve substituí-lo a partirde segunda-feira, afirmou o atual dirigente. "Estou renunciando ao cargo de governador. A pedido dovice-governador Paterson, a renúncia entrará em vigor nasegunda-feira, dia 17 de março", afirmou Spitzer. O governador, do Partido Democrata, passou a sofrer umaenorme pressão para renunciar e ouviu ameaças de impeachmentdos republicanos após o jornal The New York Times terinformado, na segunda-feira, que Spitzer havia sido flagradopor escutas feitas pela polícia federal combinando um encontrocom uma prostituta. Spitzer, 48, casado e pai de três filhos, é umex-procurador-geral de Nova York que ficou conhecido aoinvestigar crimes financeiros com um rigor tal que ganhou oapelido de Xerife de Wall Street. Ainda naquele cargo, Spitzer desbaratou redes deprostituição. Na segunda-feira, o governador pediu desculpas a suafamília e aos eleitores pelo que descreveu como sendo uma"questão particular", mas não especificou o motivo exato de seupedido de desculpas. Logo depois, Spitzer fechou-se em seuapartamento na cidade de Nova York durante dois dias. Cerca de 70 por cento dos eleitores nova-iorquinos desejama saída de Spitzer do cargo, segundo uma pesquisa daWNBC/Marist realizada na terça-feira. O ex-procurador-geral, que ganhou publicidade e inimigos aoinvestigar crimes financeiros, tornou-se governador após terrecebido cerca de 70 por cento dos votos na eleição de novembrode 2006 prometendo acabar com a corrupção no Estado. O Times, citando um membro não identificado das forças desegurança, disse na segunda-feira que Spitzer era o homemidentificado como o "Cliente Nove" em um documento do PoderJudiciário revelando os detalhes de uma investigação sobre umarede de prostituição. O Cliente Nove marcou um encontro com "Kristen", umaprostituta que cobrou 1.000 dólares a hora, no dia 13 defevereiro. Os dois ficaram em um hotel de Washington, e Spitzerpagou 4.300 dólares no total, afirmou o documento da Justiça. A ação judicial que veio a público na semana passada acusaquatro pessoas de comandarem uma rede de prostituição chamadaThe Emperors Club (o clube dos imperadores). Não se sabe ainda se Spitzer enfrentaria qualquer tipo deacusação formal devido ao caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.