Governo do Iêmen nega que pacotes com explosivos tenham vindo do país

Segundo comunicado, nenhum voo partiu do país com destino ao Reino Unido ou aos EUA

AP,

29 de outubro de 2010 | 21h43

SANA- O governo do Iêmen se disse surpreso nesta sexta-feira, 29, com investigações que apontam o país como origem de dois pacotes contendo material explosivo encontrados em aviões de carga na Inglaterra e em Dubai. Os dois tinham como destino os Estados Unidos.

 

Veja também:

especialInfográfico:  As franquias da Al-Qaeda

blog Chacra: Iêmen é o centro da Al-Qaeda no mundo

 

Segundo autoridades que participam das investigações, os objetos eram transportados pelas empresas Fedex e UPS.

 

Em um comunicado distribuído a jornalistas e publicado em seu site oficial, governo afirma que nenhum voo da UPS decolou do Iêmen e que não houve nenhum voo direto ou indireto partindo do país com destino a aeroportos americanos e britânicos.

 

O governo também faz um alerta contra "decisões precipitadas em um caso sensível como esse antes que as investigações revelem a verdade". Além disso, promete uma investigação para descobrir se os pacotes realmente eram procedentes do Iêmen.

 

Em um discurso na Casa Branca, o presidente Barack Obama não responsabilizou diretamente a Al-Qaeda na Península Arábica pela trama, mas fontes do governo dizem que os indícios de envolvimento do grupo são grandes.

 

O braço da rede de Osama bin Laden tentou executar um atentado frustrado no natal do ano passado, em um voo que ia de Amsterdã à Detroit.

 

Os EUA paralisaram a ajuda fornecida ao Iêmen com treinamento e inteligência militares depois do ataque frustrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.