Governo dos EUA confirma esforço para iniciar diálogo com Taleban

Segundo Gates e Hillary, processo de reconciliação é fundamental para fim do conflito no Afeganistão

estadão.com.br,

14 de outubro de 2010 | 17h24

Gates e Hillary conversam com jornalistas na conferência da Otan

 

BRUXELAS- O governo dos Estados Unidos e oficiais da Otan afirmaram nesta quinta-feira, 14, que estão ajudando líderes do Taleban a participarem de conversas de paz iniciais com o governo afegão em Cabul, informou a edição de hoje do jornal The New York Times.

 

Veja também:

linkTaleban diz que diálogo com Cabul é 'propaganda sem fundamento'

 

Segundo o diário, altos oficiais alertaram que ainda não estão prontos para participar formalmente no recente esforço de paz com os insurgentes, mas reconheceram que a reconciliação é parte fundamental para o fim da guerra no Afeganistão.

 

"Qualquer oportunidade que valha a pena ser explorada, nós devemos tomar vantagem disso", disse o secretário de Defesa Robert Gates em uma conferência da Otan em Bruxelas. Mesmo sem saber se os esforços terão resultados concretos, Gates acrescentou que "precisamos estar abertos às oportunidades que aparecem".

 

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, estava mais cautelosa ainda sobre o diálogo com os insurgentes, mas reconheceu que o povo americano precisa digerir a ideia de um processo de paz com o Taleban para que o Afeganistão tenha paz.

 

"Você não faz as pazes com seus amigos", disse Hillary ao programa "Good Morning America", da rede ABC. "É altamente improvável que a liderança do Taleban que se recusou a entregar Bin Laden em 2001 irá se reconciliar conosco." No entanto, acrescentou, "coisas estranhas já aconteceram na história das guerras".

 

Os comentários dos dois mais altos funcionários de segurança de Obama ocorrem após o líder do novo conselho de paz afegão, Burhanuddin Rabbani, ter confirmado em Cabul hoje que foram feitos contatos com talebans por meio de mediadores e que o apoio internacional às conversas impulsionou o processo.

 

Ontem, oficiais americanos e da Otan confirmaram que os EUA e a aliança atlântica têm se esforçado para encorajar as negociações, inclusive ajudando ex-militantes a viajarem a Cabul para participarem do processo.

 

O presidente afegão, Hamid Karzai, está há meses tentando persuadir líderes taleban a se juntarem a seu governo, um esforço que foi intensificado no ano passado após Obama ter anunciado que começaria a retirar as tropas americanas do país a partir de julho de 2011.

 

O principal comandante americano no Afeganistão, o general David H. Petraeus, afirmou recentemente que altos líderes do Taleban estavam em contato com oficiais afegãos para iniciar as discussões.

 

Ao mesmo tempo em que dizem apoiar o processo de paz, oficiais americanos estão frustrados com o papel desempenhado pelo vizinho Paquistão no conflito, que abriga muitos insurgentes, segundo o NYT.

 

O país, por sua vez, insiste que qualquer solução no Afeganistão envolve uma reconciliação com o Taleban, e pressionou os Estados Unidos a participarem das conversas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.