Gripe matou 68 crianças nos EUA em um ano

Pelo menos 68 crianças morreram degripe nos Estados Unidos na última temporada da doença, e umterço delas foi vítima também de uma preocupante infecçãobacteriana, disseram autoridades sanitárias na quinta-feira. A temporada de gripe 2006/2007 não chegou a se caracterizarcomo uma epidemia, mas os médicos precisam ficar atentos acasos tão perigosos em crianças, disse o Centro de Prevenção eControle de Doenças (CDC). O CDC emitiu em maio um alerta sobre a morte de criançasque haviam sido contaminadas com o vírus da gripe e com umabactéria chamada Staphylococcus aureus. A nota dizia que 21 dascrianças que morreram também tinham essa infecção, sendoalgumas delas resistentes a antibióticos. "Só um óbito pediátrico com gripe e co-infecção pelo S.aureus havia sido relatado durante 2004/2005, e três foramrelatados durante a temporada 2005/2006", disse o CDC. O estafilococo e outras infecções bacterianas podemcomplicar a gripe e tornar a doença mais letal. O número deinfecções por estafilococos resistentes a antibióticos vemcrescendo. Mais de 90 por cento das crianças mortas na últimatemporada não haviam recebido vacina contra gripe, segundo oCDC. A vacina não é recomendada para crianças de 6 meses a 5anos, para quem tiver doenças crônicas como asma e para maioresde 64 anos. A gripe sazonal mata cerca de 36 mil pessoas por ano nosEUA, a maioria idosos. No ano passado, o CDC havia registrado amorte de 41 crianças pela doença, embora a agência alerte que anotificação ainda não é rotineira e que pode ser enganadorcomparar as mortes de uma temporada com as de outra. O CDC ainda tenta montar um quadro preciso sobre umatemporada média de gripe nos EUA, mas isso é difícil porquemuitas vezes os médicos nem pedem exames para doençasrespiratórias, quanto menos notificam os resultados ao governofederal. Mas, como os especialistas suspeitam que uma pandemia(epidemia global) de gripe seja iminente, o CDC luta parareunir o máximo de informações possíveis sobre a gripeatualmente. (Por Maggie Fox)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.