Gustav interrompe produção de petróleo no Golfo do México

Cerca de 96% da produção de oléo e 82% da produção de gás natural foi suspensa; plataformas foram evacuadas

Reuters,

31 de agosto de 2008 | 16h13

As companhias petrolíferas que operam na costa norte-americana do Golfo do México interromperam a produção de óleo em 96% e em 82% a produção de gás natural devido a chegada do furacão Gustav, informou a agência governamental dos Estados Unidos.   Veja também: Gustav segue com rapidez no Golfo do México para Louisiana Furacão Gustav ameaça a convenção Republicana Bush e Cheney não irão à convenção republicana na segunda   O Serviço de Manuseio de Minerais (MMS, em inglês) dos Estados Unidos disse que a produção de 1,2 milhão de barris de óleo e 6,1 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia na região do Golfo foram suspensas por volta das 13h30 (de Brasília).   Os trabalhadores das 86 plataformas de exploração das 121 instalações que estão no Golfo do México também foram retirados, segundo a MMS.   O furacão passou no sábado por Cuba deixando um rastro de destruição, ainda não contabilizado pelo governo, na ilha, mas sem o registro de vítimas fatais. Entretanto, a passagem da tempestade por outros países caribenhos deixou cerca de 70 pessoas mortas.   Agora, em categoria 3, segundo o Instituto de Meteorologia cubano, Gustav segue rápido pelo Golfo do México em diração aos Estados Unidos. As águas quentes do golfo podem dar nova força ao furacão, que atingiu Cuba com ventos de 240 quilômetros por hora e categoria 4.   O prefeito de Nova Orleans, Ray Nagin, decretou que a cidade fosse evacuada, com medo que o furacão possa ser uma repetição do Katrina, que em 2005 deixou uma conta de US$ 80 milhões , convertendo-se no desastre natural mais caro da história dos Estados Unidos. Cerca de 1.600 pessoas morreram com a passagem da tempestade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.