Jorge Luis Baca/Reuters
Jorge Luis Baca/Reuters

Hillary Clinton acerta com Líbano ajuda em investigação de atentado

Secretária de Estado enfatizou compromisso dos EUA com a estabilidade, independência e soberania libanesa

estadão.com.br,

21 de outubro de 2012 | 17h15

WASHINGTON - A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, conversou por telefone com o primeiro-ministro do Líbano, Najib Mikati, neste domingo, 21, para reiterar a condenação dos Estados Unidos ao atentado com um carro-bomba ocorrido na sexta-feira em Beirute. Os dois acordaram que Washington ajudará nas investigações sobre o ataque.

Na conversa, Clinton chamou o atentado que matou, entrou outros, o general Wissam al-Hassan, chefe da inteligência, de "hediondo". Segundo Victoria Nuland, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Hillary ofereceu as condolências ao primeiro-ministro.

"A secretária enfatizou o compromisso firme dos Estados Unidos com a estabilidade, independência, soberania e segurança do Líbano", afirmou Nuland, num comunicado. "Ela observou a importância de líderes políticos trabalharem junto neste momento para assegurar que a calma prevaleça e que os responsáveis pelo ataque sejam apresentados à Justiça".

De acordo com a porta-voz, Clinton e Mikati concordaram que os EUA ajudariam na investigação. Líderes da oposição acusam a Síria de estar por trás do ataque e dizem que Mikati é próximo demais do presidente sírio, Bashar Assad, e do Hezbollah, integrante do governo do primeiro-ministro.

Protestos

Neste domingo, milhares compareceram ao funeral de Hassan, que se transformou num ato político. Houve violência, depois que uma multidão marchou em direção ao escritório do primeiro-ministro do Líbano e um líder da oposição exigiu a sua renúncia.

Muitos dos manifestantes agitaram bandeiras do Movimento Futuro de oposição anti-Síria - um partido muçulmano de maioria sunita - e as forças libanesas cristãs, assim como bandeiras negras islâmicas. Eles se dispersaram após a ação das forças de segurança e não houve relatos imediatos de quaisquer outras vítimas além de dois desmaios de pessoas.

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.