Hillary Clinton lança anúncios de rádio e TV em espanhol

Com diminuição de sua vantagem sobre Obama, pré-candidata tenta angariar votos na comunidade hispânica

Efe,

13 de dezembro de 2007 | 00h24

A pré-candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton intensificou a campanha de captação do voto hispânico nos estados de Iowa e New Hampshire, com anúncios de rádio e televisão em espanhol. Iowa será o primeiro grande desafio para os aspirantes à Casa Branca. No dia 3 de janeiro, o estado receberá os primeiros "caucus", tradicionais votações para escolher os candidatos dos partidos Republicano e Democrata. Cinco dias depois será a vez das primárias em New Hampshire. Lá, os eleitores registrados em cada partido elegerão, por um sistema mais moderno que o "caucus", o seu candidato à Casa Branca. Nas últimas semanas, a vantagem de Hillary sobre o outro principal pré-candidato democrata, Barak Obama, caiu. Por isso, a sua campanha tenta obter o máximo de votos entre os latinos. Segundo dados do Partido Democrata de Iowa, no estado estão registrados para votar cerca de 20 mil hispânicos. O Escritório de Assuntos Hispânicos de Iowa calcula que cerca de 20% deles exercerão seu direito ao voto. Um dos estrategistas da campanha de Clinton, Sergio Bendixen, disse que entre os hispânicos inscritos para votar, de 55 a 59% mostram preferência pela senadora, segundo as enquetes. "É o coletivo étnico em que ela conta com mais apoio", comentou. Os anúncios de televisão e de rádio vão insistir nos problemas que mais preocupam a comunidade hispânica, como saúde, educação e a crise econômica. Hillary Clinton vai defender o atendimento de saúde universalizado, a dotação de fundos para as escolas públicas sem importar sua localização, e a criação de oportunidades econômicas e milhões de empregos. O astro do anúncio de TV é o marido da pré-candidata, o ex-presidente Bill Clinton. "Hillary tem experiência suficiente para ser uma presidente efetiva desde o primeiro dia. Ela pode restabelecer nossa credibilidade e nossa presença no mundo", diz. O anúncio deixa claro que a ex-primeira-dama apóia o fim da Guerra do Iraque. Segundo admitiu o próprio Bendixen, os anúncios não entrarão no tema da imigração porque "é um debate complexo e polêmico demais para entrar em uma mensagem de três minutos". Mas ele afirmou que a senadora apóia uma reforma ampla da legislação migratória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.