Reuters/William B. Plowman
Reuters/William B. Plowman

Hillary diz que é importante capturar ou matar Bin Laden

Fracasso em capturar terrorista é apontado como marca negativa da guerra ao terror de George W. Bush

AP,

07 de dezembro de 2009 | 10h01

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou que é importante matar ou capturar Osama bin Laden e outros líderes da rede extremista Al-Qaeda. Em entrevista à NBC no domingo, Hillary ressaltou, contudo, que é possível fazer "enormes progressos" na luta contra os terroristas, mesmo sem a prisão do número 1 da Al-Qaeda.

 

Veja também:

linkOtan confirma envio de mais 5 mil soldados para o Afeganistão

linkPlano de Obama para guerra afegã custará US$ 30 bi no 1º ano

linkGoverno e oposição criticam novo plano 

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

Também no domingo, o assessor de segurança nacional do presidente Barack Obama, James Jones, disse que Bin Laden pode passar em alguns momentos para o Afeganistão. Acredita-se que o terrorista viva a maior parte do tempo em um remoto esconderijo no vizinho Paquistão. Já o secretário de Defesa, Robert Gates, disse que os EUA não têm pistas claras sobre o paradeiro de Bin Laden há algum tempo. Ele não soube confirmar se o extremista passava parte do tempo no Afeganistão. Jones e Gates também concederam entrevistas a emissoras de televisão no domingo.

 

O fracasso em capturar Bin Laden é apontado como uma das marcas negativas da guerra ao terror lançada pelo então presidente George W. Bush, após os atentados de 11 de setembro de 2001.

 

Apesar de seu isolamento, Bin Laden periodicamente divulga mensagens de áudio. Jones disse que o esconderijo mais provavelmente deve estar noWaziristão do Sul, uma remota região tribal paquistanesa, perto da fronteira afegã. Gates concordou que essa é a localização mais provável. O secretário de Defesa notou, porém, que não se pode simplesmente culpar Islamabad pelo problema, pois o governo paquistanês não tem controle sobre essa área.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.