Hillary oferece auxílio para melhorar relação com muçulmanos

Programas envolvem desenvolvimento social, tecnológico e econômico dos países árabes

Reuters,

03 Novembro 2009 | 14h36

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, ofereceu auxílio financeiro e programas para promover o empreendedorismo, desenvolvimento econômico e educação aos países muçulmanos nesta terça-feira, 3, e conclamou Israel, palestinos e países árabes a buscar a paz.

 

"Estamos comprometidos a gerar oportunidades para ajudar a desenvolver o enorme talento que reside nas pessoas dessa região", disse Hillary, acrescentando que os programas também buscarão fomentar a colaboração técnica e científica, o poder das mulheres e a cooperação entre credos diferentes.

 

O discurso de Hillary foi considerado como a execução do que Obama havia dito em junho no Egito, quando prometeu buscar um novo começo nas conflituosas relações dos EUA com o mundo islâmico. A declaração, entretanto, vem em um momento no qual Washington enfrenta o a pressão de vários países árabes por se inclinar a favor de Israel em relação a questão dos assentamentos no território palestino.

 

Em seu discurso, Hillary repetiu que os EUA estão comprometidos a alcançar uma solução de dois estados - um de Israel e um palestino - dizendo que essa seria a chave para garantir um futuro pacífico na região. "Estamos decididos e somos persistentes a atingir essa meta. Creio fortemente que podemos alcançá-la, creio que o compromisso do presidente Obama é compreendido e creio que com o apoio de vocês podemos chegar a uma saída", finalizou Hillary.

 

Os programas que a secretária de Estado anunciou incluem um projeto de US$ 76 milhões para ajudar a aumentar as oportunidades econômicas do Iêmen, outro de US$ 30 milhões para jovens vulneráveis na Jordânia e uma cúpula de empreendedores em Washington no ano que vem para juntar empresários americanos e muçulmanos.

Mais conteúdo sobre:
EUA Hillary Clinton Hillary muçulmanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.