Hillary quer convidar o Irã para conferência sobre o Afeganistão

Encontro será no dia 31 e contará com a participação de membros da Otan, vizinhos e países com tropas no país

Agências internacionais,

05 de março de 2009 | 15h03

Em seu primeiro sinal de abertura pública ao Irã, o governo de Barack Obama planeja convidar o Irã para a conferência internacionais para elaborar uma estratégia para o Afeganistão que acontecerá neste mês, segundo afirmou nesta quinta-feira, 5, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton. "Se avançarmos até essa reunião, esperamos que o Irã seja convidado, assim como o Afeganistão", afirmou Hillary aos jornalistas após a reunião de Ministros de Relações Exteriores da Otan.   Veja também: Otan retoma laços com a Rússia após crise na Geórgia   Hillary propôs que a conferência sobre o Afeganistão e os desafios regionais seja realizada no dia 31 de março. A secretária não afirmou onde será realizado o encontro, mas disse que os EUA estão em contato com a Organização das Nações Unidas (ONU), que deve promover a reunião. A secretária de Estado afirmou que o Afeganistão deve ser visto como uma preocupação estratégica única e que uma pequena área na região agora é o "nervo central dos extremistas" e que a situação no campo de batalha agora é séria.   A secretária de Estado pediu para que o conflito contra os insurgentes seja melhor coordenado pelo governo americano, pela Otan e pela comunidade internacional. Segundo Hillary, uma maior integração da estratégia civil e militar é necessária no Afeganistão. "Qualquer solução duradoura", afirmou Hillary, "vai precisar da participação dos vizinhos do Afeganistão", mas não especificou nenhum país.   O Afeganistão e o Paquistão, onde o Taleban possui bases, participarão do encontro com os membros da Otan e os países que possuem tropas no conflito afegão. Hillary afirmou que propôs a participação de "países estratégicos regionais", como Rússia, Índia, além de "grandes contribuintes financeiros e grandes organizações internacionais. Questionada sobre a participação do Irã, Hillary confirmou a possibilidade do Irã ser convidado, o que ampliaria a dimensão internacional do esforço diplomático pelo Afeganistão.   A guerra no Afeganistão se deteriorou nos últimos dois anos, e extremistas islâmicos e do Taleban ganharam terreno enquanto o número de mortos da coalizão liderada pelos EUA no país também aumentou. O presidente Barack Obama aprovou o envio de mais 17 mil soldados americanos para o conflito ainda neste ano, mas enfatizou que é preciso uma abordagem unificada da comunidade internacional para o confronto.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.