Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Hillary reitera preocupação com compra de armas da Venezuela

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, manifestou preocupação nesta terça-feira com as aquisições bélicas da Venezuela e com uma potencial corrida armamentista na América Latina.

ANDY QUINN, REUTERS

15 de setembro de 2009 | 19h17

"Temos manifestado preocupação com o número de aquisições bélicas venezuelanas. Elas superam todos os outros países da América do Sul e, certamente, despertam questões sobre se haverá uma corrida armamentista na região", disse Hillary a jornalistas depois de um encontro com o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou na segunda-feira a obtenção de um empréstimo russo de 2,2 bilhões de dólares para a compra de 92 tanques e de um avançado sistema antimísseis.

Neste mês, o governo venezuelano já havia provocado alarme em Washington ao anunciar a ampliação da sua cooperação energética com o Irã.

Nos últimos anos, a Venezuela adquiriu mais de 4 bilhões de dólares em armas da Rússia, inclusive 24 caças Sukhoi. Chávez diz que isso é importante para proteger a Venezuela e seus recursos petrolíferos.

Hillary pediu à Venezuela que seja mais "transparente" a respeito de suas políticas de aquisições de armas.

"Eles deveriam colocar em vigor procedimentos e práticas para garantir que as armas que eles compram não sejam desviadas para grupos insurgentes e organizações como quadrilhas de traficantes de drogas e outros cartéis", disse a secretária.

Chávez se diz ameaçado pelos EUA, o que Washington nega, e está rompido com a Colômbia por causa do recente acordo que amplia a presença militar norte-americana no país.

Uma importante fonte do Departamento de Estado disse, pedindo anonimato, que há tempos os EUA veem com preocupação a compra de armas pela Venezuela.

"É um acúmulo de um número de contratos que eles têm tido com países de fora do hemisfério", disse essa fonte, referindo-se à aproximação de Chávez com países com os quais os EUA têm atritos.

(Reportagem adicional de Deborah Charles)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAHILLARYVENEZUELA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.