Homem é acusado de assassinar filho na Flórida para jogar videogame

Um homem na Flórida, nos Estados Unidos, incomodado com o fato de o choro do filho de 16 meses não deixá-lo jogar videogame matou a criança, disse a polícia nesta sexta-feira.

Reuters

18 de abril de 2014 | 14h26

Cody Wygant, de 24 anos, foi preso na quinta-feira acusado de assassinato em terceiro grau, o que significa morte não planejada, e negligência infantil com grande dano corporal, disse a porta-voz do gabinete do xerife do condado Citrus, Heather Yates.

Um juiz determinou a fiança em 100 mil dólares para Wygant, que é de Homosassa, cerca de 148 km a oeste de Orlando.

Wygant contou a investigadores que estava tentando jogar jogos de Xbox online às 1h de quinta-feira e ficou frustrado com o fato de o filho Daymeon chorar incontrolavelmente, de acordo com o depoimento de prisão.

Wygant disse que colocou a mão sobre a boca e nariz do menino por três a quatro minutos até que a criança pareceu exausta e letárgica. Então, ele colocou o menino em um cercadinho e cobriu-o da cabeça aos pés, com várias camadas de roupas de cama de modo a impedir a circulação de ar para o menino, os investigadores disseram no depoimento.

"É inconcebível que um pai mate seu filho", disse o xerife de Citrus, Jeff Dawsy, em comunicado.

A porta-voz do gabinete do xerife disse que Wygant estava desempregado e tinha recentemente se mudado da Califórnia para a Flórida. Segundo ela, Wygant tem uma ficha criminal extensa na Califórnia, incluindo crimes de invasão e estupro.

(Reportagem de Barbara Liston)

Tudo o que sabemos sobre:
EUACRIMEVIDEOGAME*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.