Homem é acusado de planejar ataque a shopping nos EUA

Promotores dos Estados Unidos acusaram um homem de Massachusetts de conspirar para fornecer apoio material a terroristas, alegando que o suspeito e cúmplices viajaram ao Oriente Médio para buscar treinamento, discutiram um ataque a um shopping center e distribuíram vídeos promovendo a guerra santa.

ROSS KERBER, REUTERS

21 de outubro de 2009 | 16h17

Tarek Mehanna, de 27 anos, de Sudbury, estado de Massachusetts, foi detido em sua casa na manhã desta quarta-feira, disseram autoridades.

"Mehanna e cúmplices tiveram várias conversas sobre como obter armas automáticas e atirar aleatoriamente em pessoas dentro de um shopping center, e que as conversas chegaram ao ponto de discutirem logísticas do ataque, incluindo coordenação, as armas necessárias e a possibilidade de atacar as equipes de resgate", disse o Departamento de Justiça dos EUA.

Mehanna já havia sido indiciado em janeiro de 2009 por dar falso testemunho ao FBI e a outras autoridades em relação com uma investigação terrorista, disse o Departamento de Justiça.

Os promotores alegam que de 2001 a 2008 Mehanna conspirou com um homem chamado Ahmad Abousamra e com outros em um complô para matar, sequestrar ou ferir pessoas nos Estados Unidos.

Mehanna e os cúmplices também são acusados de discutir o desejo de participar de uma guerra santa islâmica e de morrer no campo de batalha. O caso foi baseado parcialmente em informações de duas pessoas descritas como testemunhas.

Acredita-se que tanto Mehanna quanto Abousamra sejam cidadãos norte-americanos. Abousamra fugiu para a Síria em 2006, depois que autoridades federais tentaram questioná-lo, disse o procurador-geral Michael Loucks. E Mehanna foi detido há um ano enquanto tentava subir a bordo de um avião no Aeroporto Internacional Logan, em Boston, mas foi depois libertado sob fiança.

Loucks disse que a prisão de Mehanna nesta quarta-feira não tinha relação com a visita planejada do presidente Barack Obama a Boston neste fim de semana.

O caso vem a público menos de um mês depois de um imigrante de origem afegã, Najibullah Zazi, ser acusado de planejar um ataque a bomba contra os Estados Unidos.

Segundo as autoridades, Zazi participou de um curso para fabricar bombas em um campo de treinamento da Al Qaeda no Paquistão, tinha anotações sobre bombas em seu laptop e comprou materiais usados na fabricação de explosivos iguais aos usados nos ataques a Londres em 2005.

O promotor-geral Eric Holder descreveu esse complô como uma das ameaças mais sérias aos EUA desde os ataques de 11 de setembro de 2001.

Zazi, que tem um visto de residente nos EUA, foi indiciado no mês passado por planejar usar armas de destruição em massa. Ele alegou inocência e está detido sem direito a fiança.

(Reportagem adicional de Christine Kearney)

Tudo o que sabemos sobre:
EUATERRORSHOPPING*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.