Homem que matou 4 crianças será executado no Mississippi

O Mississippi planeja executar na terça-feira um homem que matou quatro sobrinhos em 1990, e parentes deles disseram que o governador local não se comoveu com seus pedidos de clemência.

REUTERS

05 de junho de 2012 | 18h31

Henry Curtis Jackson Jr., de 47 anos, matou a facadas duas sobrinhas e dois sobrinhos, com idades entre 2 e 5 anos, quando procurava dinheiro para roubar em um cofre na casa da mãe dele, perto de Greenwood, segundo as autoridades.

Regina Jackson - irmã do criminoso e mãe de duas das vítimas - disse que ela e outros familiares pediram na segunda-feira ao governador republicano Phil Bryant para que suspenda a execução, mas que o governador respondeu na manhã de terça-feira que decidiu manter a aplicação da injeção letal.

“"Vão fazer (com Jackson) a mesma coisa que ele fez. Executá-lo não trará uma conclusão. Trará mais dor para a família. Nós perdoamos meu irmão, eu amo meu irmão. Deus diz que temos de perdoar para que Ele nos perdoe", disse Regina.

Um porta-voz confirmou que o governador recebeu a família do condenado, mas não confirmou a decisão dele. No Mississippi, só o governador têm autoridade para conceder clemência, e também pode comutar penas de morte em prisão perpétua.

A execução está marcada para 18h (20h em Brasília) na Penitenciária Estadual do Mississippi, em Parchman. Ele deve se tornar o quarto preso executado neste ano no Estado, e o 19o no país.

Depois dos assassinatos, Jackson passou quatro dias foragido, até se entregar. Ele confessou os crimes, mas disse não se lembrar especificamente de esfaquear os sobrinhos, segundo o Departamento Correcional do Estado.

Dois outros parentes sobreviveram ao ataque ocorrido em 1o de novembro de 1990. Regina Jackson diz ter levado 15 facadas.

Curtis Jackson foi condenado em 1991 por quatro homicídios, duas lesões corporais qualificadas e uma acusação de agressão armada.

(Por Emily Le Coz)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMISSISSIPPIASSASSINO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.