Huckabee diz que Vice-Presidência seria surpresa

Ex-pré-candidato republicano ainda duvida que Obama escolha Hillary Clinton para concorrer como vice

Reuters,

18 de junho de 2008 | 10h49

O pré-candidato republicano Mike Huckabee disse nesta quarta-feira, 18, que ficaria surpreso se o candidato do Partido Republicano à Presidência dos EUA, John McCain, o convidasse para ser seu companheiro de chapa. Huckabee também afirmou duvidar que a democrata Hillary Clinton participe da eleição como candidata a vice de Barack Obama.   Veja também: Possíveis vice-candidatos para McCain Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    O ex-governador, em visita ao Japão depois do fim da campanha para tornar-se o candidato republicano, afirmou à Reuters, em uma entrevista, que aquela decisão dependeria da estratégia de McCain para as eleições de novembro e do quanto o candidato se sentiria à vontade tendo Huckabee como parceiro de chapa. "Não tenho certeza sobre isso ser a melhor escolha para ele. Isso é algo que apenas ele pode saber", disse.   "A Vice-Presidência não é um cargo que alguém tente obter. Esse é um cargo que busca a pessoa, algo que depende muito do quão confortável o presidente se sentirá". "Eu ficaria realmente surpreso caso fosse convidado", afirmou. Os ex-rivais de campanha realizaram eventos juntos no Estado de Huckabee, Arkansas, em abril, depois de o ex-governador ter se retirado da disputa.   Boatos sobre uma chapa McCain-Huckabee surgiram durante as primárias em vista da possibilidade de o pastor batista conseguir atrair o apoio de mais republicanos conservadores, uma fatia do eleitorado pouco entusiasmada com McCain durante a disputa intrapartidária. Huckabee disse que seu eleitorado não era composto apenas pelos evangélicos. "Tratava-se mais da classe média, da classe trabalhadora dos EUA do que de um grupo religioso. Se eu tivesse todos os evangélicos ao meu lado, teria vencido."   A respeito dos democratas, Huckabee afirmou duvidar que Obama e Hillary consigam resolver suas diferenças a ponto de serem capazes de dividir uma chapa. "Há uma tensão real ali, e não apenas entre os dois, mas entre os assessores mais imediatos e entre os simpatizantes de um modo em geral, diferença essa que não seria fácil superar", disse.   O ex-governador acrescentou que, apesar de a campanha de Obama haver dado vários sinais de que receberia com satisfação o apoio de Hillary, "eles não vêem nisso uma parceria permanente". "Há vários indícios de que Obama pensa em Bill Richardson ou em Wesley Clark, ou em outra pessoa. E vários dos simpatizantes dele ficariam insatisfeitos caso o candidato não seguisse esse caminho", afirmou Huckabee. "Em geral, os que votaram em Hillary acabarão votando em Obama. Mas não tenho certeza sobre se eles estariam prontos para realizar o casamento e cortar o bolo."

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.