Illinois cria CPI que pode derrubar governador

Uma comissão parlamentar de inquérito da Assembléia de Illinois começou a investigar na terça-feira se há base para um processo de impeachment contra o governador Rod Blagojevich, acusado de cometer diversas irregularidades nos últimos anos, inclusive de tentar vender a vaga no Senado que pertencia ao presidente-eleito Barack Obama. O presidente da CPI disse que um advogado de Blagojevich comparecerá à audiência de quarta-feira. O governador democrata chegou a ser detido na semana passada, mas negou qualquer irregularidade e rejeitou os apelos para renunciar. Seu advogado, Edward Genson, disse na terça-feira que vai rebater as acusações. "O caso que vi até agora está significativamente exagerado. Não é o que as pessoas estão pensando", disse Genson. Obama nega ter tido contatos inadequados com o governador ou discutido o destino da sua vaga -- que pela lei é preenchida por indicação do governador em caso de renúncia do titular, como foi o caso de Obama depois de eleito presidente. Questionado na terça-feira sobre a pertinência de que Illinois faça uma eleição suplementar para o Senado, em vez de o governador indicar o substituto, Obama declarou: "Já disse que não acho que o governador possa servir eficazmente no seu cargo. Deixarei que o Legislativo estadual tome uma determinação em termos de como querem proceder". De segunda-feira, depois da instalação da CPI, a bancada parlamentar adiou o debate sobre a convocação de uma eleição especial, provocando vaias dos republicanos, que têm ambições de preencher a vaga. Blagojevich ainda tem autoridade para fazer a indicação, mas está sendo aconselhado a não fazê-lo. Os 21 integrantes da CPI fizeram uma rápida reunião na terça-feira em Springfield, capital de Illinois. Sua presidente, a democrata Barbara Currie, sugeriu várias linhas de investigação e pediu à população que apresente eventuais provas que tenha contra Blagojevich. "Estaríamos mais do que felizes de escutar de pessoas comuns, delatores, o que for, que achem que tenham algo a oferecer", disse ela. (Reportagem adicional de Karen Pierog)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.