Imã de Nova York diz que não pretende se reunir com pastor radical

Reunião havia sido anunciada por Terry Jones, que tinha planos de queimar o Alcorão neste sábado

Efe,

10 de setembro de 2010 | 20h18

NOVA YORK- O imã Feisal Abdul Rauf, líder islâmico de Nova York que coordena o projeto de construção de uma mesquita islâmica perto do Marco Zero, disse nesta sexta-feira, 10, que não pretende se reunir com o pastor Terry Jones.

 

Veja também:

blog Gustavo Chacra: Bastidores da cidade de Terry Jones

mais imagens Galeria de fotos: Muçulmanos protestam contra queima do Alcorão

especial Linha do tempo: Principais atentados desde o 11/09

 

"Estou disposto a me reunir com qualquer um que tenha um compromisso sério com a busca da paz. Não há uma reunião desse tipo planejada no momento", afirmou o imã.

 

Além disso, reiterou que os planos de construir o centro comunitário islâmico em um terreno situado a apenas duas quadras de onde ficavam as Torres Gêmeas não foram mudados.

 

"Com a proximidade do dia 11 de setembro, encorajo a todos a dedicarem um tempo à orações e reflexões", acrescentou Rauf.

 

Na quinta-feira, Jones havia dado uma entrevista na qual anunciara que havia desistido do 'Dia da Queima do Alcorão' no aniversário do 11 de setembro, após protestos de autoridades do governo americano e no mundo islâmico.

 

Nas últimas 24 horas, o pastor chegou a dizer que a queima estava suspensa, e não cancelada, e deu um ultimato ao imã, mas um porta-voz reiterou que não haverá queimas do livro sagrado do islã neste sábado.

 

Segundo Jones, os dois teriam acertado uma reunião amanhã em Nova York para tratar da mudança do centro islâmico. O imã nega ter tido qualquer contato com o reverendo da Flórida, que dirige uma pequena igreja protestante crítica aos muçulmanos.

 

Leia ainda:

linkMuçulmanos protestam contra o pastor Jones

linkPastor faz cidadezinha virar palco de radicais

linkObama volta a pedir que pastor não queime Alcorão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.