Indicado para Pentágono liga para senadores em busca de aprovação

O ex-senador Chuck Hagel, indicado pelo presidente dos EUA, Barack Obama, como próximo secretário de Defesa dos EUA, começou a telefonar para críticos no Senado na tentativa de esclarecer suas opiniões sobre como lidar com o Irã, o Hezbolla e o Hamas, antes de uma audiência sobre sua nomeação.

Reuters

11 de janeiro de 2013 | 07h45

As credenciais do condecorado republicano veterano da guerra do Vietnã não convenceram integrantes de seu próprio partido, com o qual ele publicamente teve desavenças quando parlamentar por se opor à guerra no Iraque durante o governo Bush.

As ligações particulares de Hagel para senadores e os esforços de seus apoiadores em defendê-lo publicamente são parte do que deve ser uma dura batalha no Senado sobre sua nomeação para comandar o Pentágono. Adversários de Hagel tentaram por semanas convencer Obama a desistir de indicar o ex-senador de Nebraska.

O proeminente senador republicano Lindsay Graham, da Carolina do Sul, previu antes mesmo da indicação que Hagel, se confirmado, seria "o mais antagônico secretário de Defesa perante o Estado de Israel na história da nossa nação".

Autoridades norte-americanos que falaram com Hagel desde sua nomeação, na segunda-feira, dizem que ele tem feito ligações para alguns senadores antes da audiência no Congresso, que acontecerá nas próximas semanas. Parlamentares e ex-parlamentares dizem que ele está particularmente preocupado com as opiniões sobre sua atitude passada em relação ao Irã. Críticos o acusam de se opor a sanções à República Islâmica.

O senador republicano John Cornyn, do Texas, em um artigo de opinião chamado "Porque Não Posso Apoiar Hagel", acusou o indicado de não compreender as ameaças do Irã e de grupos como o Hamas.

(Por Phil Stewart)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAPENTAGONOINDICADOSENADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.