Indiretamente, EUA financiam grupos armados afegãos, diz Câmara

Os Estados Unidos estão pagando indiretamente dezenas de milhões de dólares a grupos armados e talvez até ao Taliban, em troca de proteção aos comboios que levam mantimentos a tropas norte-americanas no país, segundo investigadores ligados à Câmara dos Deputados dos

JOANNE ALLEN, REUTERS

22 de junho de 2010 | 10h40

EUA.

A prática do Pentágono de terceirizar o deslocamento de bens no Afeganistão, deixando as próprias empresas encarregadas da sua segurança, libera tropas para o combate à insurgência.

Mas os "efeitos colaterais" dessa atitude podem prejudicar o combate à corrupção e o fortalecimento das instituições, segundo o relatório, a ser examinado numa audiência parlamentar na terça-feira.

"Este arranjo tem alimentado um vasto esquema de proteção mantido por uma rede obscura de senhores da guerra, homens fortes, comandantes, autoridades afegãs corruptas e talvez outros", disse em nota o deputado democrata John Tierney, presidente de uma subcomissão de segurança nacional da Câmara.

O relatório, preparado por assessores democratas da subcomissão, diz que os pagamentos em troca de proteção representam "uma fonte potencialmente significativa de financiamento para o Taliban". O texto cita vários documentos, incidentes e emails que mencionam tentativas de extorsões do Taliban.

O contrato, conhecido pela sigla HNT (de "Transporte por Caminhões na Nação Anfitriã", na sigla em inglês), e envolve uma cifra de 2,16 bilhões de dólares e abrange 70 por cento do transporte de combustível, alimentos, munições e outros itens para as tropas dos EUA. A investigação começou em novembro de 2009.

Segundo o relatório, as empresas de transporte e suas subcontratadas "pagam dezenas de milhões de dólares anualmente a senhores da guerra locais em todo o Afeganistão, em troca de 'proteção' para os comboios de abastecimento do HNT que apoiam tropas dos EUA".

"Os contratados do HNT frequentemente se referiam a tais pagamentos como 'extorsão', 'subornos', 'segurança especial' e/ou 'pagamentos por proteção'", acrescenta o documento.

Os investigadores disseram que várias empresas já se queixaram ao Pentágono, mas que não houve providências adequadas. O relatório sugere que o Departamento de Defesa acompanhe mais de perto o transporte das suas cargas e assuma a responsabilidade direta pelas ações das empresas contratadas.

O texto recomenda também uma avaliação detalhada dos efeitos secundários do contrato HNT, inclusive a respeito da corrupção gerada e do impacto sobre a política afegã.

(Reportagem de JoAnne Allen)

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAFEGANISTAOGRUPOARMADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.