Influência do Irã na América Latina preocupa EUA

O Irã está fazendo aliados naAmérica Latina para conter a tradicional influência deWashington na região e pode usá-los com o objetivo de ameaçar asegurança dos Estados Unidos, disse um importante diplomatanorte-americano na quarta-feira. "Estamos preocupados que na ocorrência de um conflito com oIrã, que tentem usar a presença na região para conduziratividades contra nós", afirmou à Reuters Thomas Shannon, subsecretário para o Hemisfério Ocidental do Departamento deEstado dos EUA. O Irã tem buscado estreitar os laços com governosesquerdistas da região que são críticos a Washington, comoVenezuela, Nicarágua e Bolívia. Para Shannon, isso demonstrauma tentativa do país de buscar um papel internacional maisamplo. "O Irã encontra na América Latina uma forma de se expressarinternacionalmente", disse Shannon durante o 38o Conselho dasAméricas, uma organização empresarial que reúne autoridades dosEstados Unidos e da região anualmente no Departamento de Estadonorte-americano. Shannon afirmou que o Irã usa seus contatos na AméricaLatina para "mostrar que tem capacidade de se articular" contraos Estados Unidos. O diplomata ainda lembrou que vários paíseslatino-americanos mantêm relações com o Irã e reiterou queWashington reforçou o pedido para que essas nações respeitem assanções impostas pela ONU ao governo de Teerã por seu programanuclear. Os Estados Unidos qualificam o Irã como um país quepatrocina o terrorismo. Shannon destacou os êxitos do governo de George W. Bush emestreitar laços com a região e buscar um "envolvimento"positivo, focado em reforçar a democracia e a luta contra apobreza. O diplomata ainda argumentou que o próximo presidente dosEstados Unidos, que será eleito em novembro, encontrarárelações sólidas com os países latino-americanos. Shannon destacou o estreitamento das relações com o Brasilcomo um dos maiores feitos do governo Bush em tentar construiruma agenda positiva com a região. "O Brasil é um país que vai ficar cada vez maisimportante", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.