Irã segue como principal patrocinador do terror, dizem EUA

Relatório sobre práticas terroristas no mundo aponta que Al-Qaeda é a maior ameaça ao Estado americano

Agências internacionais,

30 de abril de 2009 | 14h57

O Irã, que continua a planejar e financiar ataques terroristas no Oriente Médio e outros lugares, permanece como "o Estado patrocinador de terrorismo mais ativo" no mundo, disse o governo dos EUA, em um novo relatório sobre as práticas terroristas no mundo. O documento afirma ainda que a Al-Qaeda permanece como a "principal ameaça terrorista" para os EUA, já que usa suas bases no Paquistão para recuperar a capacidade operacional que tinha antes dos ataques de 11/09.

 

A lista negra de países patrocinadores do terrorismo divulgada pelo Departamento de Estado dos EUA ainda inclui o Sudão, Síria e Cuba. A Coreia do Norte deixou a classificação em outubro do ano passado depois de uma decisão favorável do governo Bush, afirma o documento. Estes países não podem receber ajuda econômica dos EUA nem obter benefícios comerciais ou tratados financeiros, entre outras proibições.

 

Segundo o documento, a rede da Al-Qaeda permanece como a principal ameaça terrorista para os EUA, pois "reconstruir parte de sua capacidade operacional anterior aos ataques de 11 de setembro" usando as regiões no Paquistão nas fronteiras com o Afeganistão.

 

O relatório, elaborado pelo Departamento de Estado, foi apresentado pelo coordenador interino da luta antiterrorista, Ronald Schlicher, e o diretor adjunto para a transferência de informação e de conhecimento do Centro Nacional da Luta Antiterrorista, Russel Travers. A publicação do relatório responde a uma exigência do Congresso dos Estados Unidos e sua divulgação acontece todos os anos na mesma data.

 

Este é o primeiro divulgado pelo Governo Barack Obama, mas o mais provável é que grande parte da informação tenha sido recolhida pela Administração George W. Bush.

 

Aguarde mais informações

Tudo o que sabemos sobre:
EUAterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.