Irã usa América Latina para ganhar influência, dizem EUA

O Irã busca usar a América Latinapara fazer frente à influência dos Estados Unidos na região,disse na quarta-feira um diplomata norte-americano que fez umapelo aos países do continente para cumprir as sanções da ONUcontra a nação islâmica. O Irã tem buscado estreitar os laços com governosesquerdistas da região que são críticos a Washington, comoVenezuela, Nicarágua e Bolívia. Entretanto, para o subsecretário para o HemisférioOcidental do Departamento de Estado norte-americano, ThomasShannon, isso demonstra uma tentativa do país de buscar umpapel internacional mais amplo. "O Irã encontra na América Latina uma forma de se expressarinternacionalmente", disse Shannon durante o 38o Conselho dasAméricas, uma organização empresarial que reúne autoridades dosEstados Unidos e da região anualmente no Departamento de Estadonorte-americano. Shannon indicou que o Irã usa seus contatos na AméricaLatina para "mostrar que tem capacidade de se articular" contraos Estados Unidos. O diplomata ainda lembrou que vários países latinoamericanos mantêm relações com o Irã e reiterou que Washingtonreforçou o pedido para que essas nações respeitem as sançõesimpostas pela ONU ao governo de Teerã por seu programa nuclear. Os Estados Unidos qualificam o Irã como um país quepatrocina o terrorismo, e a maior preocupação de Washington éque o Governo iraniano possa eventualmente usar seus vínculosna região como uma ameaça em caso de algum conflito, afirmou. Shannon destacou os êxitos do Governo de George W. Bush emestreitar laços com a região e buscar um "envolvimento"positivo, focado em reforçar a democracia e a luta contra apobreza. O diplomata ainda argumentou que o próximo presidente dosEstados Unidos, que será eleito em novembro, encontrarárelações sólidas com os países latino-americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.