Joalheiros de NY admitem venda de 1t de marfim ilegal

Dois joalheiros de Nova York confessaram na quinta-feira que venderam cerca de 1 tonelada de marfim ilegal, num valor superior a 2 milhões de dólares, incluindo presas de elefantes aparentemente caçados apenas para satisfazer a uma elevação na demanda, segundo autoridades.

LILY KUO, Reuters

12 de julho de 2012 | 20h02

A grande apreensão de produtos de luxo, incluindo colares e braceletes de marfim e presas finamente esculpidas, foi uma das maiores já realizadas na cidade de Nova York, segundo o promotor distrital Cyrus Vance, de Manhattan.

"Os caçadores não deveriam ter mercado em Manhattan", disse Vance em nota à imprensa. "Precisamos coibir o lado da demanda no comércio ilegal de marfim bem aqui na nossa casa."

Os joalheiros Mukesh Gupta e Johnson Jung-Chien Lu aceitaram um acordo pelo qual se dispõem a devolver o marfim ilegal e pagar multas de 45.000 e 10.000 dólares, respectivamente. O dinheiro será revertido à Sociedade de Conservação da Vida Selvagem.

Gupta, de 67 anos, e Lu, de 56, confessaram a comercialização ilegal de bens naturais, já que vendiam peças de marfim nas suas joalherias próximas do famoso Bairro dos Diamantes, em Manhattan.

Uma lei estadual de Nova York estipula que o marfim e seus produtos só podem ser vendidos com uma autorização especial e com provas de que os itens foram obtidos antes que os elefantes asiáticos e africanos fossem catalogados como espécies ameaçadas, na década de 1970.

Mais conteúdo sobre:
EUAMARFIMNY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.