John McCain apoia plano de Obama para saída do Iraque

Durante corrida presidencial, ex-rival havia acusado presidente de 'ingenuidade' e defendia permanência

Reuters,

27 de fevereiro de 2009 | 16h37

O senador republicano John McCain, que discutiu duramente com Barack Obama durante a campanha presidencial dos EUA a respeito da guerra no Iraque, disse nesta sexta-feira, 27, que apoia o plano do presidente para retirar os soldados norte-americanos do Iraque ao longo de 19 meses. "No geral é um plano razoável, pode funcionar, e eu o apoio", disse McCain à Reuters.   Veja também: Obama anuncia fim da missão no Iraque em agosto de 2010 Conheça o plano para a retirada do Iraque Obama pede ajuda de Irã e Síria para estabilizar região Como candidato a presidente na eleição de 2008, McCain acusou Obama de ser ingênuo em questões sobre segurança nacional e criticou sua promessa de retirar as tropas norte-americanas do Iraque em 16 meses. Questionado sobre essas declarações e suas posições atuais, McCain disse: "Deixe-me apenas lembrá-lo de novo, isto é totalmente diferente, isto é significativamente diferente, este plano em comparação à promessa de campanha dele." McCain elogiou o fato de o plano de Obama prever a permanência de até 50 mil soldados no Iraque depois da retirada das outras tropas ao longo de 19 meses. Essas forças treinarão e equiparão as forças iraquianas e conduzirão algumas operações contra o terrorismo. O senador estava entre os líderes do Congresso informados sobre o plano pelos principais oficiais de defesa da Casa Branca na quinta-feira.   "Os comandantes militares disseram que há um risco moderado e, portanto, acho que ele pode funcionar", afirmou. McCain disse que um fator positivo no plano é de que haverá uma "retirada muito pequena entre agora e as eleições nacionais" marcadas para ocorrer no Iraque em dezembro. O republicano, que integra o Comitê de Serviços Armados do Senado, também reconheceu uma situação diferente no Afeganistão. Obama deixou claro que sua prioridade militar é o Afeganistão, e disse que enviará mais 17 mil soldados ao país para intensificar os esforços contra uma insurreição do Taliban. O apoio de McCain não se estende ao projeto de orçamento de 3,55 trilhões de dólares anunciado por Obama na quinta-feira. Ele disse estar "profundamente preocupado sobre os déficits sem fim". O senador pelo Arizona também criticou o que chamou de desperdício num projeto de orçamento para o ano fiscal corrente.  

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIraqueJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.