Lucas Jackson/Reuters
Lucas Jackson/Reuters

Juiz anula acordo para indenizar bombeiros que trabalharam no 11/09

Magistrado contestou o desconto dos honorários advocatícios do fundo destinado aos envolvidos

Reuters,

19 de março de 2010 | 19h00

Um juiz federal dos Estados Unidos anulou nesta sexta-feira, 19, um acordo de indenização de US$ 657 milhões para trabalhadores que tiveram problemas de saúde após os ataques de 11 de setembro de 2001. Segundo o magistrado, o processo deve ser transparente e os honorários de advogados não devem sair desses fundos.

 

O juiz Alvin Hellerstein afirmou que os trabalhadores doentes deveriam saber o valor aproximado que poderiam receber antes de decidir se participariam do acordo, o qual exige a aceitação de 95% dos 10.000 envolvidos.

 

Entre eles, se encontram bombeiros, policiais e outras categorias que trabalharam na "Zona Zero", sobre as ruínas das Torres Gêmeas.

 

De acordo com Hellerstein, o acordo destina uma grande parte do valor para pagamentos futuros, e uma cifra maior deveria ser entregue aos envolvidos imediatamente. O juiz garantiu que presidiria reunião com os trabalhadores para discutir o acordo.

 

O juiz também defendeu que os honorários advocatícios não deveriam sair do fundo de US$ 1 bilhão estabelecido à margem para cobrir as demandas, mas devem ser pagos pela companhia de seguros WTC Captive.

 

A firma foi criada especialmente para tratar das indenizações após os ataques, quando a cidade de Nova York não conseguiu encontrar seguros privados para ajudar a cobrir as operações de limpeza e recuperação.

 

A presidente da WTC, Christine LaSala, disse a jornalistas após a audiência que estava "muito decepcionada pelo juiz ter dificultado" um acordo justo entre as partes.

 

Notícia atualizada às 20h11 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.