Juiz dos EUA autoriza extradição de Noriega para França

Um juiz norte-americano autorizou naterça-feira a extradição de Manuel Noriega, ex-homem forte doPanamá, para a França a fim de que responda a acusações delavagem de dinheiro. A extradição, segundo o juiz, deve ocorrer depois de odetento ter cumprido a longa pena de prisão a que foi condenadonos EUA pelo crime de tráfico de drogas. A decisão, tomada pelo juiz William Turnoff, aparece apósuma outra corte, em um caso julgado em separado, ter rejeitadona sexta-feira passada os argumentos dos advogados de Noriegade que seu status de "prisioneiro de guerra". Segundo prevê as Convenções de Genebra, significava que odetento deveria regressar imediatamente para casa após terminarde cumprir sua pena, no dia 9 de setembro. "Esta corte expedirá um certificado de extradição arespeito do general Manuel Antonio Noriega", afirmou Turnoff aofinal de uma audiência de 30 minutos realizada em Miami. Segundo o juiz, o mandato de extradição seria expedido naquarta-feira. Noriega, 73, está preso nos EUA há quase duasdécadas. Ele foi condenado por tráfico de drogas e extorsãoapós ter sido capturado pelas forças norte-americanas queinvadiram o Panamá em 1989. Os advogados de Noriega haviam dito antes que pretendiamapelar a respeito do pedido de extradição vindo da França e queacreditavam na permanência do panamenho na prisãonorte-americana para além de 9 de setembro por conta dojulgamento dessa apelação. Noriega depara-se com acusações muito mais sérias no Panamádo que na França. Ele já foi condenado à revelia em seu paísnatal pelos crimes de violação dos direitos humanos eassassinato, incluindo a decapitação, em 1985, de HugoSpadafora, um destacado adversário dele. Mas os advogados do ex-comandante afirmam que ele desejaregressar para casa a fim de limpar seu nome. Uma alteração recente feita no Código Penal do Panamápoderia permitir a Noriega que cumprisse os 20 anos de prisão aque foi condenado ali em regime de prisão domiciliar e issoporque já tem mais de 70 anos de idade. Se for considerado culpado do crime de lavagem de dinheirona França, o panamenho poderia ser condenado a outros dez anosde prisão, agora na Europa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.