Juiz dos EUA diz que monitoramento de telefonemas da NSA está dentro da lei

Um juiz dos Estados Unidos concluiu que a coleta em grande escala de dados de telefonemas por parte da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) está dentro da lei, e rejeitou uma contestação ao programa apresentada pela União Americana pelas Liberdades Civis.

Reuters

27 de dezembro de 2013 | 15h27

O juiz distrital William Pauley determinou nesta sexta-feira, em Manhattan, que não há provas de que o governo tenha usado os chamados "metadados" de telefonemas para qualquer outra razão que não seja investigar e impedir ataques terroristas.

Pauley destacou que o programa é "vago em informações sobre praticamente todas as ligações para, desde ou dentro dos Estados Unidos", mas disse que a legalidade do programa segundo a Quarta Emenda à Constituição dos EUA "é, em última análise, uma questão de razoabilidade".

O juiz rejeitou uma moção da União Americana pelas Liberdades Civis pedindo uma liminar e acatou o pedido do governo para abandonar o caso. Nem a União Americana pelas Liberdades Civis nem o Departamento de Justiça dos EUA responderam de imediato a pedidos por comentários.

(Reportagem Jonathan Stempel, em Nova York)

Tudo o que sabemos sobre:
EUANSAJUIZLEI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.