Juiz ordena soltura de detido em Guantánamo

Segundo decisão, acusações de que ele era ligado a Al-Qaeda se basearam em depoimentos de outros detidos

Efe,

15 de janeiro de 2009 | 03h11

Um juiz federal dos Estados Unidos ordenou nesta quarta-feira, 14, ao Pentágono que ponha em liberdade um homem detido na prisão de Guantánamo, acusado de pertencer à organização terrorista Al-Qaeda. O juiz Richard Leon diz que Mohammed el-Gharani, de 21 anos e original do Chade, deve ser posto em liberdade "imediatamente". Gharani também foi acusado pelas autoridades militares americanos de combater junto aos talebans contra as forças dos EUA no Afeganistão. O juiz Leon assinalou, ao justificar sua decisão, que as acusações se basearam em depoimentos de outros detidos de Guantánamo, qualificados por ele de "indignos de confiança". Um porta-voz do Departamento de Justiça disse que a sentença foi recebida com decepção e frisou que o governo está estudando suas opções perante o caso.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAl-QaedaGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.