Júri condena cidadão norte-americano por terrorismo

O norte-americano José Padilla, preso hátrês anos e meio pelos militares de seu país sob a acusação deser um "combatente inimigo", foi condenado na quinta-feira numjulgamento visto como definitivo para os esforços do governoBush contra o terrorismo. Padilla pode pegar prisão perpétua, assim como dois outrosréus condenados junto com ele. Inicialmente acusado pelo governo de tramar um ataque comuma "bomba suja" (arma radiológica), Padilla, convertido aoIslã, acabou sendo condenado por conspiração para cometerassassinato, sequestro e mutilação, conspiração para dar apoiomaterial ao terrorismo e por dar efetivamente apoio material aoterrorismo. Padilla permaneceu de cabeça erguida, olhando para frente,ao ouvir o veredicto. "É claro que vamos recorrer", disse sua mãe, Estela Lebron,que estava no plenário. "É preciso entender que esta é umacidade republicana. Não fico mais surpresa com nada nestelugar." Padilla foi preso em 2002. Junto com ele foram julgados,pelas mesmas três acusações, Adham Hassoun e Kifah Jayyousi. Umjuiz deve proferir a pena em 5 de dezembro. (Reportagem adicional de Tom Brown)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.