Jurista conservador Robert Bork morre aos 85 nos EUA

Robert Bork, símbolo do ativismo judicial conservador nos Estados Unidos, morreu nesta quarta-feira aos 85 anos num hospital da Virgínia onde estava internado devido a uma infecção.

DAVID INGRAM, Reuters

19 de dezembro de 2012 | 19h13

Bork teve papel de destaque em batalhas envolvendo a Suprema Corte e no caso Watergate a ponto de seu sobrenome ser usado como verbo.

O verbo " to bork" foi incluído em 2002 no Oxford English Dictionary com o significado de "difamar ou vilificar (uma pessoa) sistematicamente, especialmente nos meios de comunicação de massa, geralmente com o objetivo de impedir sua nomeação para um cargo público; obstruir ou atrapalhar (uma pessoa) de alguma maneira".

Em entrevista em 2005 à rede CNN, ele disse que a existência do verbo era "uma forma de imortalidade" para ele.

Indicado para a Suprema Corte em 1987 pelo presidente republicano Ronald Reagan, Bork teve seu nome barrado pelo Senado, então dominado por democratas, por causa da sua filosofia jurídica conservadora.

(Reportagem de David Ingram, Terry Baynes e Joan Biskupic)

Mais conteúdo sobre:
EUABORKMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.