Justiça americana mantém dois suspeitos de terrorismo presos até audiência

Homens foram acusados de tentarem se reunir com organização ligada a Al-Qaeda na Somália

07 de junho de 2010 | 17h56

NOVA YORK- Uma juíza dos Estados Unidos ordenou nesta segunda-feira, 7, que dois homens de Nova Jersey continuem presos até sua próxima audiência, sob acusações de tentarem se reunir com militantes islâmicos na Somália para atentar contra soldados americanos e outras pessoas.

 

Veja também:

linkSuspeitos de ligação com Al-Qaeda são presos em NY

 

Mohamed Mahmood Alessa, de 20 anos, e Carlos Eduardo Almonte, de 24, foram presos no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, no último sábado, enquanto tentavam embarcar em voos separados ao Egito com destino a Somália, disseram promotores.

 

A magistrada Madeline Cox Arleo ordenou que os dois homens permaneçam presos até uma audiência que pode os conceder liberdade sob fiança na quinta. Os promotores, que pediram que a liberdade os seja negada, afirmam que os dois suspeitos conspiraram para cometer um ato de terrorismo internacional ao levar a cabo uma "violenta jihad" junto ao Al Shabaab, um movimento juvenil somaliano vinculado à rede terrorista Al-Qaeda.

 

Se condenados, Alessa e Almonte podem enfrentar prisão perpétua. Os advogados de ambos se negaram a falar com a imprensa.

 

As prisões ocorrem após uma tentativa falida de um cidadão americano nascido no Paquistão de explodir um carro-bomba em Times Square no mês passado e também depois de um incidente ocorrido no Natal, no qual um nigeriano foi acusado de tentar explodir um voo com destino a Detroit.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.