Kerry vai ao Oriente Médio na semana que vem para conversações de paz

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, vai voltar a Israel e aos territórios palestinos para retomar as negociações de paz na próxima semana, disse um alto funcionário do governo dos Estados Unidos no sábado, dias depois da data prevista para que Israel liberte outro grupo de prisioneiros palestinos.

LESLEY WROUGHTON, Reuters

28 de dezembro de 2013 | 17h04

A autoridade norte-americana, falando sob condição de anonimato, disse que Kerry vai visitar Jerusalém e Ramallah no fim de semana que vem, para mais conversas com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, retomando suas viagens diplomáticas, depois de uma pausa para o Natal.

Os EUA estão tentando negociar um acordo com uma "solução de dois países" na qual Israel existiria pacificamente ao lado de um novo Estado palestino.

Kerry quer que os dois lados concordem com um modelo para um acordo provisório antes de um acordo em abril, que levaria a mais um ano de conversações em busca de um tratado de paz completo. De acordo com autoridades dos EUA, o modelo mostraria que está havendo progresso nas negociações que começaram em julho.

O modelo abrangeria todas as principais questões, incluindo segurança, o futuro de Jerusalém e o destino dos refugiados.

Um importante passo nesse processo é a libertação de cerca de duas dúzias de prisioneiros palestinos, em 30 de dezembro, o terceiro grupo a ser libertado desde que as negociações foram retomadas, em julho. A libertação é vista pelos EUA como sendo de vital importância para criar confiança.

Mas o plano de libertação foi ofuscado por um anúncio feito na sexta-feira por Israel, de que pretende construir 1.400 casas em um assentamento israelense na Cisjordânia ocupada, uma ação que o negociador palestino, Saeb Erekat, disse que vai "destruir o processo de paz" e pode gerar uma retaliação.

Os palestinos veem os assentamentos israelenses como um obstáculo para a criação de um país viável em Jerusalém Oriental, na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, territórios que Israel capturou na Guerra do Oriente Médio de 1967. A maioria dos países considera esses assentamentos israelenses ilegais.

Durante a sua última visita à região, no dia 13 de dezembro, Kerry disse que os dois lados continuam comprometidos com as negociações de paz e que estão a caminho de fechar um acordo interino em abril.

Uma rodada anterior de negociações, em 2010, foi interrompida devido a uma discussão sobre a construção de assentamentos, e desde a sua retomada neste ano, as conversas de paz têm mostrado poucos sinais de progresso.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAORMEDKERRYVIAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.