Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Legistas encontram 72 restos mortais entre escombros do 11 de setembro

Com novas descobertas, número de restos encontrados após ataque às Torres Gêmeas chega a 1.845

Efe,

23 de junho de 2010 | 19h58

NOVA YORK- Quase nove anos depois dos ataques terroristas do dia 11 de setembro de 2001 contra o World Trade Center de Nova York, as autoridades da cidade encontraram 72 restos mortais entre os escombros deixados pelas Torres Gêmeas.

 

Veja também:

linkJustiça aprova acordo de indenização para trabalhadores do 11 de setembro

mais imagens Imagens do 11 de setembro divulgadas pela ABC

 

Os trabalhos de recuperação realizados pelo Instituto Legista de Nova York no bairro de Staten Island, onde foram armazenados alguns dos escombros, serviram para localizar este novo número de restos que, com os encontrados desde 2006, chegam aos 1.845.

 

Graças ao tamanho e à boa conservação de alguns dos restos, como detalha a rede de televisão ABC, vai ser possível realizar testes de DNA que possam identificar a quem correspondem e aumentar assim o número de vítimas identificadas do ataque terrorista da Al-Qaeda.

 

Os restos foram encontrados nos quase 700 metros cúbicos de escombros da "zona zero" que a cidade guarda em Staten Island, como parte de uma operação que terminou na sexta-feira e na qual, segundo a ABC, foram recuperados um bom número de ossos.

 

Nas tarefas de busca, os trabalhadores do Instituto Legista de Nova York passaram os escombros por diversas triagens nas quais as diferentes peças foram classificadas por tamanho para facilitar a diferenciação dos restos mortais.

 

Até janeiro de 2010 e desde que aconteceu o atentado, o Instituto tinha recuperado um total de 21.744 restos humanos dos escombros, dos quais foi capaz de identificar 12.768.

 

Desde o 11 de Setembro foram identificadas 1.626 vítimas dos atentados, o que supõe 59% do total de 2.752 que se estima que morreram nos ataques terroristas só no World Trade Center.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.