Lei do Arizona pode gerar 'apertheid', diz embaixador dos EUA no México

Lei permite que policiais do estado prendam qualquer suspeito de ser imigrante ilegal

Efe,

16 de julho de 2010 | 22h24

Grupo se manifesta contra entrada em vigor da lei em frente à Corte Federal em Phoenix

 

MÉXICO- A controversa lei de imigração aprovada pelo estado do Arizona é "uma violação dos direitos civis" e poderia gerar "um tipo de apartheid", afirmou nesta sexta-feira, 16, o embaixador dos Estados Unidos no México, Carlos Pascual.

 

"Sua aplicação pode forçar a diferenciação baseada em razões étnicas", disse o diplomata, comparando a lei ao regime que discriminava as pessoas negras na África do Sul que foi abolido em 1991.

 

Também nesta quinta, a Argentina ratificou seu apoio ao México e repudiou a legislação por considerar que ela pode ter "consequências racistas".

 

"Além do componente discriminatório e o efeito econômico", a lei "poderia dar lugar ao desenvolvimento de um protótipo criminal associado a um estereótipo racial", afirmou o governo de Cristina Kirchner por meio de um comunicado da Chancelaria.

 

Na última quarta, a Argentina se somou ao México ao apresentar à Corte Federal em Phoenix, capital do Arizona, suas próprias objeções contra a entrada em vigor da lei, o que ocorrerá em 29 de julho se ela não for barrada pela Justiça federal.

 

A Lei SB1070 sancionada pela governadora Jan Brewer permite que as forças de segurança estaduais prendam qualquer suspeito de não ter regularizado seu status de imigração.

 

O Arizona, com cerca de 6,5 milhões de habitantes, conta com quase um milhão de estrangeiros em seu território, segundo um estudo da BBVA Bancomer. Desses, 611.410 são mexicanos, que representam 93% de todos os latinoamericanos que vivem no estado.

 

A aprovação da lei provocou reações contrárias tanto da comunidade latina do México como nos Estados Unidos. O Departamento de Justiça americano apresentou um processo na Corte Federal de Phoenix no qual questiona a legalidade da norma.

 

A Casa Branca argumenta que a lei permitirá a "perseguição e detenção de visitantes estrangeiros, imigrantes legais e cidadãos americanos que não possam provar imediatamente sua situação".

 

Além disso, para o governo Obama, a Lei SB1070 viola a Constituição americana ao atribuir competências que cabem somente ao governo federal.

 

As autoridades do Arizona, no entanto, consideram que o processo de Washington é "equivocado" e que os fundos destinados a ele deveriam ser gastos contra "os violentos cartéis mexicanos" que "atacam" o estado.

 

Nove estados do país apoiam a controversa legislação, e têm a intenção de criar uma similar. São eles: Michigan, Alabama, Flórida, Nebraska, Pensilvânia, Carolina do Sul, Dakota do Sul, Texas e Virgínia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.