Líder da Câmara dos EUA veta homenagem a Michael Jackson

Texto, proposto no funeral do astro, o proclamava ícone humanitário; resolução pode suscitar 'visões contrárias'

Associated Press,

09 de julho de 2009 | 18h48

A Líder da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, descartou nesta quinta-feira, 9, uma resolução em homenagem a Michael Jackson, após o assunto ter levantado discussões na casa. Segundo ela, o gesto simbólico, proposto durante o funeral do astro pop, poderia levantar "visões contrárias" sobre sua vida.

 

Veja também:

video Vídeo da cerimônia fúnebre de Michael Jackson

linkVeja especial sobre a trajetória do astro e ouça suas principais canções

especialA trajetória de Michael Jackson, ícone do pop

mais imagens  Galeria de fotos
blog Confira registro da cerimônia em tempo real
 

Os congressistas têm liberdade para utilizar seus discursos na Câmara "para expressar sua empatia ou reconhecimento (a Jackson) em qualquer momento que desejarem", afirmou a democrata, "mas creio que uma resolução não é necessária". A parlamentar Sheila Jackson Lee, democrata do Texas, havia prometido no Staples Center, em Los Angeles, impulsionar um texto que "honrasse para sempre" o rei do pop.

 

A resolução lembrava uma série de atos de caridade que Jackson realizou ao longo de sua carreira, e o proclama uma lenda norte-americana e um ícone cultural e humanitário do mundo. Alguns republicanos já haviam criticado a medida. O congressista Peter King, de Nova York, qualificou o cantor como um "pervertido, pedófilo e pederasta" e assegurou que faria "tudo o que deve ser feito" contra a resolução.

 

No funeral de Jackson, Sheila disse que os críticos "não entendem o coração dos artistas" e destacou que o cantor foi absolvido de todas as acusações de pedofilia. "Compreendemos a Constituição. Compreendemos as leis e sabemos que as pessoas são inocente até que se prove o contrário. Esse é o significado da Constituição", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Michael JacksonEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.