Lua e Marte estão fora do alcance da Nasa, diz comitê

Orçamento precisa de reforço de US$ 3 bilhões ao ano para viabilizar plano de ir à Lua em 2020

IRENE KLOTZ, REUTERS

14 de agosto de 2009 | 16h56

O plano dos Estados Unidos de retomar as missões tripuladas à Lua até 2020 não vai dar certo sem um grande reforço no orçamento da Nasa, o que torna a Estação Espacial Internacional (ISS) o único objetivo viável do programa espacial do país, afirmou um grupo de discussões ligado à Presidência.  

 

 

link Nasa quer propostas para desenvolvimento de 'táxis' espaciais

link Nasa defende nave projetada para substituir ônibus espacial

 linkAstronautas da Apolo 11 pedem lançamento de missão a Marte

 linkAstronautas da Apollo lamentam estado do programa espacial

O comitê sobre voos tripulados ao espaço, que apresentou as primeiras conclusões à Casa Branca nesta sexta-feira, 14, concluiu que uma missão à Marte seria muito arriscada no momento.

O desenvolvimento de novas espaçonaves em substituição à frota de ônibus espaciais e a criação de foguetes maiores para alcançar a Lua exigiriam um orçamento maior em US$ 3 bilhões ao ano, de acordo com o comitê, chefiado por Norm Augustine, ex-diretor da Lockheed Martin.

O único programa espacial tripulado que pode ser bancado pelo orçamento atual da agência espacial norte-americana, a Nasa, é a ISS, que tem o benefício paralelo de fomentar o mercado de viagens ao espaço, defendeu o comitê. O grupo completou nesta semana uma série de audiências públicas.

A Nasa gasta aproximadamente metade de seu orçamento anual de US$ 18 bilhões em voos tripulados ao espaço com a operação dos ônibus espaciais, a construção e a operação da estação espacial, e com o desenvolvimento de novos veículos pelo programa Constellation.

O comitê afirmou que as novas iniciativas norte-americanas de exploração espacial -que visam o desembarque na Lua até 2020- estão fadadas ao fracasso porque o orçamento de US$ 108 bilhões para 10 anos foi cortado em US$ 30 bilhões.

"Não podemos cumprir o programa com esse orçamento", disse Sally Ride, membro do comitê e ex-astronauta. "O orçamento simplesmente não é favorável à exploração".

Mesmo com os recursos adicionais, o retorno à Lua pode não ser a melhor escolha para as missões humanas, concluiu o painel. Segundo o comitê, seria mais interessante para o público e para a economia fazer voos para asteroides ou outros destinos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.