KCNA via REUTERS
KCNA via REUTERS

Trump, China, Rússia e líderes globais condenam teste nuclear da Coreia do Norte

Presidente dos EUA defende aumento de sanções; Merkel e Macron pedem reação da ONU  e UE

O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2017 | 07h27
Atualizado 03 Setembro 2017 | 14h01

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assim como autoridades dos governos da Rússia, Coreia do Sul, França e inclusive China condenaram o sexto teste com bomba nuclear realizado pela Coreia do Norte neste domingo. A China é o maior parceiro comercial de Pyongyang.

O governo da Coreia do Norte confirmou na tarde de hoje (horário local) que realizou com sucesso o teste de uma bomba de hidrogênio mais avançada, carregada em um míssil de longo alcance. Segundo emissora estatal, o teste foi ordenado pelo líder do país, Kim Jong Un.

Trump reagiu ao que chamou de "grande teste nuclear" afirmando que a Coreia do Norte é uma nação "desonesta" cujas "palavras e ações continuam sendo muito hostis e perigosas" para os EUA. Em seu perfil no Twitter, disse que o país asiático "se tornou uma grande ameaça e constrangimento para a China, que tem tentado ajudar mas com pouco sucesso". Trump afirmou ainda que a "Coreia do Sul está percebendo, como eu disse, que sua conversa de apaziguamento com a Coreia do Norte não funcionará". "Eles só entendem uma coisa", complementou, sem dar mais detalhes.

O presidente francês Emmanuel Macron condenou a ação "nos termos mais fortes possíveis". Em comunicado oficial, convocou os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas para reagir rapidamente à nova violação das leis internacionais por Pyongyang. Macron disse que a comunidade internacional deve tratar a nova provocação de Pyongyang com a "máxima firmeza" a fim de trazê-lo de volta ao caminho do diálogo e dissuadi-lo dos programas nuclear e de mísseis.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia afirmou em comunicado que o teste merece a "máxima condenação". Defendeu também diálogo imediato e negociações como as únicas formas de resolver os problemas da península da Coreia, incluindo o nuclear. O ministro reafirmou estar pronto para participar das negociações, inclusive "no contexto da implementação do plano russo-chinês". Por esta proposta, a Coreia do Norte suspenderia seus testes nucleares e de lançamento de mísseis e, em troca, EUA e Coreia do Sul suspenderiam seus exercícios militares conjuntos.

O ministro de Relações Exteriores da China também condenou o teste em comunicado, expressando "firme oposição e forte condenação" à atividade e demandando que a Coreia do Norte "pare de tomar ações equivocadas que deterioram a situação".

A Coreia do Sul afirmou que pretende responder à Coreia do Norte com as medidas mais severas possíveis. O diretor do Departamento Nacional de Segurança do país, Chung Eui-yong, afirmou que o presidente Moon Jae-in buscará todas as medidas diplomáticas disponíveis, incluindo novas sanções do Conselho de Segurança da ONU. Segundo Eui-yong, Moon também discutirá com o governo dos EUA formas de utilizar os "meios estratégicos mais fortes" de que dispõem os norte-americanos para isolar completamente Pyongyang.

Mais cedo, o gabinete presidencial da Coreia do Sul informou que o conselheiro do departamento de Segurança Nacional dos EUA, H. R. McMaster conversou por telefone durante 20 minutos com Chung Eui-yong uma hora após o teste.

Para um especialista em Coreia do Norte da China, o teste foi conduzido para prejudicar o ambiente do encontro dos Brics, grupo formado pelas principais potências emergentes globais: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. As lideranças destes países se reunirão na segunda e na terça-feira na cidade de Xiamen, no sul da China. Para ele, a Coreia do Norte tem demonstrado que não teme qualquer pressão, o que deixa poucas opções para outros países.

Magnitude. Autoridades do Japão e da Coreia do Sul dizem que esta explosão pode ter sido até dez vezes mais potente que o último teste nuclear realizado pelos norte-coreanos. 

Segundo a Coreia do Norte, é a primeira vez que o país obtém sucesso no teste de uma bomba de hidrogênio miniaturizada, que pode ser instalada em um míssil balístico de longo alcance. O teste ocorreu poucas horas após o governo de Kim Jong-un anunciar a inspeção da bomba de hidrogênio para míssil.

No anúncio feito pela TV estatal, o governo de Kim Jong-un disse que o teste foi um 'sucesso perfeito' e representa um passo 'significativo' para completar o programa de armas nucleares do país.

A confirmação do teste aconteceu horas depois de um tremor de magnitude 6,3 ser detectado pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) no noroeste da Coreia do Norte, em uma região usada para testes militares. /REUTERS/AFP/AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.