Maioria dos americanos quer mudança nas relações com Cuba

Segundo pesquisa, 59% acreditam que ilha está pronta para nova aproximação, enquanto 39% defendem embargo

Ansa,

15 de abril de 2009 | 18h08

Uma pesquisa de opinião revelou nesta quarta-feira, 15, que a maioria dos norte-americanos considera que os Estados Unidos devem mudar sua política em relação a Cuba, em busca de uma aproximação. O estudo, feito pela WorldPublicOpinion.org, apontou que 59% dos entrevistados defendem que "é tempo de tentar uma nova aproximação de Cuba, porque o país pode estar pronto para a mudança". Por outro lado, 39% dos norte-americanos são favoráveis aos embargos, por considerarem que os comunistas continuam no poder da ilha.

 

Veja também:

linkObama pede reunião com Unasul antes de Cúpula das Américas

linkFidel diz que medidas de Obama são 'positivas' mas 'mínimas'

linkCuba quer fim de embargo, não esmola, diz Fidel

linkObama suspende restrições a viagens

lista Principais pontos do embargo contra Cuba

especialEspecial: Os 50 anos da Revolução Cubana

 

O resultado do levantamento é divulgado na semana da 5ª Cúpula das Américas, que acontece entre sexta-feira e domingo, e terá como um dos temas centrais o embargo imposto por Washington à ilha caribenha em 1962. Diversos líderes latino-americanos como os presidentes Hugo Chávez, da Venezuela, e Evo Morales, da Bolívia, defendem a retomada das relações bilaterais entre Estados Unidos e Cuba.

 

O próprio presidente norte-americano, Barack Obama, deu um sinal neste sentido no início da semana, ao pôr fim às restrições a viagens e envio de remessas de dinheiro à ilha. A pesquisa revelou ainda que sete em cada dez cidadãos dos Estados Unidos concordam com as medidas anunciadas por Obama, enquanto 69% do entrevistados defendem a retomada das relações diplomáticas.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.