Mais da metade dos presos de Guantánamo podem deixar prisão

116 dos 211 detentos da base militar dos EUA em Cuba têm condições de sererm transferidos para outros países

estadao.com.br,

03 de dezembro de 2009 | 15h47

O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, disse nesta quinta-feira, 3, que 116 dos 211 presos do complexo de Guantánamo estão em condições de ser transferidos para outros países, segundo a agência AFP.

 

Veja também:

lista Saiba mais sobre a prisão de Guantánamo

lista Conheça os métodos de interrogatório usados pela CIA

 

"Estamos determinando quem são os detentos que acreditamos que possam ir para outros países", disse Gates. "Até agora, identificamos 116", completou o secretário.

 

Gates, entretanto, não detalhou se esses presos seriam libertados ou seriam transferidos para ser julgados em seus países de origem ou outras nações. Até o anúncio do secretário de Defesa, o governo havia informado que entre 80 e 90 prisioneiros seriam libertados.

 

O funcionário do governo americano também afirmou que foi "essencialmente a logística que se mostrou mais complicada" para que o fechamento de Guantánamo, conforme havia previsto a administração de Barack Obama, não ocorresse no prazo estimado para o fim de 2009.

 

Atualmente, o complexo abriga 211 prisioneiros, 31 a menos do que quando Obama chegou à presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
GuantánamoEUAlibertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.