Manifestação pró-imigrantes reúne milhares nos EUA

Milhares de partidários da reforma imigratória realizaram uma manifestação na quarta-feira em frente ao Congresso dos Estados Unidos, pedindo aos parlamentares que aprovem regras que abram caminho para a concessão de cidadania a estimados 11 milhões de estrangeiros indocumentados.

IAN SIM, Reuters

10 de abril de 2013 | 19h59

Os manifestantes agitavam bandeiras - dos EUA e, em menor número, de países latino-americanos - e portavam cartazes com dizeres como "Cidadania para 11 milhões", ou, em espanhol, "Já chega de deportação!"

O Comício Nacional pela Cidadania ocorreu um dia depois de negociadores no Senado anunciarem que estão dando os toques finais em um projeto sobre o tema que deve tramitar ainda nesta semana na Casa.

A reforma imigratória ganhou força no Congresso depois da reeleição do presidente Barack Obama, em novembro, com expressivo apoio do eleitorado hispânico. Desde então, a oposição republicana passou a dedicar mais atenção ao tema da imigração, na esperança de recuperar espaço junto ao eleitorado de origem latino-americana - a minoria que mais cresce nos EUA.

"Juntos educamos, nos manifestamos, rezamos e batemos em portas até que uma lei abrangente de reforma imigratória chegue à mesa do presidente Obama", disse Gustavo Torres, presidente da entidade Casa in Action, à multidão no gramado oeste do Capitólio. "Vocês são o movimento que irá conquistar a reforma imigratória."

Os ativistas dizem que a nova lei deve conter mecanismos que permitam a obtenção da cidadania a pessoas hoje indocumentadas, e que isso não pode estar atrelado a reforços na segurança fronteiriça ou a outros objetivos legislativos.

Cerca de cem organizações, inclusive grupos de apoio a imigrantes e sindicatos, organizaram o ato. A banda californiana La Santa Cecilia animou o público com sua canção "El Hielo" ("o gelo"), sobre as autoridades de fiscalização migratória.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIMIGRACAOPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.