Marine pega 15 anos de prisão por matar civil iraquiano

Sargento americano matou iraquiano durante busca por insurgente; júri retirou agravante de premeditação

Associated Press,

03 de agosto de 2007 | 16h25

Um júri sentenciou nesta sexta-feira, 3, um sargento, chefe de pelotão dos fuzileiros navais dos Estados unidos, a 15 anos de prisão por ter matado um civil iraquiano.   O sargento Laurence G. Hutchins III, de 23 anos, foi acusado de matar um iraquiano na povoação de Hamdania, durante a busca sem resultados por um insurgente. Ele havia sido acusado de assassinato com premeditação, mas o júri militar retirou o agravante.   Hutchins foi declarado culpado na quinta-feira, 2, de formação de quadrilha para matar, mentir em uma declaração oficial e roubo. Foi absolvido das acusações de seqüestro, assalto e invasão de residência.   A acusação de desonra foi retirada, mas ele teve sua patente reduzida para soldado e foi verbalmente repreendido, tornou-se o primeiro e único membro de seu esquadrão a ser condenado pelo assassinato em abril de 2006.   Sem o agravante de premeditação, Hutchins não enfrentava qualquer chance de prisão perpétua. Testemunhos de muitos de seus companheiros o apontavam como o cérebro do plano de seqüestrar e matar um suspeito de ser insurgente.Sua esposa, Reyna Hutchins, desabou em lágrimas ao ouvir o veredicto.Ampliado às 16h47.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosIraqueLaurence Hutchins

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.