Reuters
Reuters

Marinha dos EUA faz segunda patrulha marítima perto de ilha controlada pela China

Série de movimentos peto do Mar da China Meridional indicam descontentamento de Washington com Pequim

Estadao Conteudo

02 Julho 2017 | 08h02

O governo Trump realizou uma segunda patrulha marítima perto de uma ilha controlada pela China no Mar da China Meridional, segundo relataram autoridades dos Estados Unidos, seguindo uma série de movimentos nos últimos dias que parecem sinalizar o descontentamento de Washington com Pequim.

A Marinha dos EUA enviou neste domingo, 2, o destruidor de mísseis guiados USS Stethem, perto da Ilha Triton, na cadeia da ilha Paracel, no Mar da China Meridional, de acordo com funcionários dos EUA. O navio de guerra chegou a 12 milhas náuticas de Triton, indicando que a patrulha era uma operação de liberdade de navegação, desafiando o que os EUA veem como reivindicações marítimas excessivas.

China, Taiwan e Vietnã reivindicam a ilha, que tem pouco mais de 1km². Pequim a controlou desde que conquistou os Paracels das forças vietnamitas em 1974.

Um oficial de defesa dos EUA disse que o navio passou por essas águas com base em "passagem inocente", desafiando o requerimento de todos os três postulantes à ilha para que os navios militares estrangeiros buscam permissão antes de transitar suas águas territoriais. De acordo com o direito marítimo internacional, as águas territoriais se estendem até 12 milhas náuticas do território das nações.

"As forças dos EUA operam diariamente na região, inclusive no Mar da China Meridional", afirmou o Comandante Matt Knight, um porta-voz da Frota do Pacífico.

"Todas as operações são conduzidas de acordo com o direito internacional e demonstram que os Estados Unidos vão voar, navegar e operar onde quer que o direito internacional permita. Isso é verdade no Mar da China Meridional como em outros lugares ao redor do globo".

Os ministérios Estrangeiro e de Defesa da China não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Pequim prometeu melhorar suas capacidades militares e acusou os EUA de desestabilizar a região depois que outro navio da Marinha dos Estados Unidos navegou perto de uma ilha no arquipélago Spratly, também no Mar da China Meridional, em maio. A China ainda protestou após uma operação similar nos Estados Unidos perto de Triton em janeiro de 2016.

Os Paracels são considerados um ponto de menor tensão do que o Spratlys, onde a China construiu sete ilhas artificiais fortificadas nos últimos três anos ou mais. As reivindicações de Pequim para o Spratlys se sobrepõem com as do Vietnã, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan.

Ainda assim, a China também realizou atualizações substanciais de infraestrutura militar nos Paracels nos últimos anos, inclusive na ilha de Triton, de acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, um grupo de pesquisa dos EUA.

Triton teve um pequeno porto por alguns anos, mas suas instalações foram recentemente expandidas, inclusive com um heliporto, de acordo com a Iniciativa de Transparência Marítima da Ásia.

Autoridades de defesa dos Estados Unidos sublinharam que as operações como a de domingo são normalmente planejadas por semanas, até meses de antecedência, e que não estavam ligadas às outras ações tomadas por Washington nos últimos dias.

Mas o movimento provavelmente causará preocupação em Pequim, já que acontece dias antes de um segundo encontro entre o presidente Donald Trump com o líder da China, Xi Jinping, em uma reunião do G-20 em Hamburgo, na Alemanha. /COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.