McCain apóia incentivos para exploração de petróleo nos EUA

O candidato republicano àPresidência dos EUA, John McCain, manifestou na quarta-feiraapoio a incentivos para que os Estados prospectem novos camposde petróleo, mas afirmou que não pretende obrigá-los a explorarpotenciais recursos, especialmente em áreas ambientalmentefrágeis. "Acredito que devamos furar para ir atrás [do petróleo]",disse ele num encontro com eleitores em Michigan. "Mas soufederalista, e acredito nos direitos dos Estados em tomar essasdecisões." "Acho que podemos oferecer mais incentivos para Estadoscomo a Califórnia e a Flórida, e uma parcela maior dosdividendos e dos impostos do petróleo que eles possam explorar.Mas não posso dizer ao povo da Califórnia o que fazer com olitoral deles. Não posso dizer que devemos furar nos ambientesmais intocados", prosseguiu. Por razões ambientais, está proibida a perfuração em muitasáreas que pertencem ao governo federal e têm reservascomprovadas de petróleo. Atualmente, a exploração em alto-marsó está autorizada no litoral sul (Texas, Louisiana,Mississippi e Alabama) e em parte do litoral do Alasca. A situação não deve mudar depois da eleição. Pelo contrário-- os democratas Hillary Clinton e Barack Obama provavelmenteprorrogariam a proibição, que expira em 2012. McCain defende uma abordagem mais flexível, permitindo queos Estados decidam onde explorar suas bacias marítimas. Brian Rogers, assessor de imprensa do candidato, disse queMcCain "apóia o objetivo da moratória, que é proteger áreasecologicamente sensíveis, mas acredita que há algumas áreas [emalto-mar] que podem e devem ser desenvolvidas por seu potencialenergético." Todos os três candidatos a presidente dos EUA são contra aexploração de petróleo das enormes reservas que ficam noRefúgio Nacional da Vida Selvagem do Alasca, ondepotencialmente há 16 bilhões de barris, muito cobiçados pelasempresas do setor. O governo de George W. Bush chegou a incluiressas áreas com destaque na política energética nacional. McCain disse a seus eleitores em Rochester que vai guiar osEUA para a independência energética, e defendeu o aprimoramentode fontes alternativas e o investimento em energia nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.